Ads Top

O Candidato apadrinhado pela Sede do Twitter Brasil: Na Câmara, Ciro não apresentou projetos e faltou a 45% das sessões

Ex-candidato à Presidência teve mandato de deputado de 2007 a 2010 e contabilizou 160 ausências em votações ou discussões no plenário


Durante a campanha à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT) fez questão de ressaltar sua experiência no Executivo, como prefeito de Fortaleza e governador do Ceará, e também no Legislativo, incluindo um mandato de deputado federal (2007-2010).
No entanto, nesse cargo, não foi um parlamentar pouco atuante. Em quatro anos, ele não apresentou um projeto de lei e esteve ausente em quase metade das votações e discussões no plenário.
O site da Câmara mostra que das 353 sessões plenárias, Ciro, à época eleito pelo PPS, não compareceu a 160 delas (45,3%). Houve justificativa para 110 das ausências.
Uma flexibilização do regimento interno da Casa permite que a Mesa Diretora abone as faltas. Com isso o parlamentar não é descontado e também não sofre punições — quem faltar a um terço das sessões sem justificar pode ter o mandato cassado.
Naquela época, quando foi noticiado que o então deputado era um dos campeões de falta, ele justificou alegando motivos de saúde e a doença da sogra.
Em entrevistas recentes, o político relatou não ter gostado muito da experiência no Legislativo federal.
Outro fato que destaca o mandato de deputado federal de Ciro Gomes foi a não apresentação de qualquer projeto de lei. Boa parte da atividade legislativa dele se restringiu a pareceres como integrante da CCJC (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania).
Além da CCJC, o político integrou a Comissão Especial da Crise Econômico-Financeira, em 2009.
Ciro também apresentou um requerimento em 2007, posteriormente arquivado, pedindo à presidência da Câmara voto de louvor para um encontro de prostitutas e profissionais do sexo no Ceará (veja documento abaixo).
De acordo com o artigo 117, inciso 19, parágrafo 3º do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, "o requerimento que objetive manifestação de regozijo ou louvor deve limitar-se a acontecimentos de alta significação nacional".
Ainda no mandato de deputado, Ciro Gomes se envolveu em uma polêmica no caso que ficou conhecido como "farra das passagens", em 2009.
O jornal O Estado de S. Paulo noticiou que o então deputado "perdeu a compostura ao negar informações de que usou parte da cota de passagens aéreas para financiar viagem de sua mãe, Maria José, a Nova York" em maio de 2008. O parlamentar viajara para um encontro da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos e não havia devolvido à época R$ 189 mil excedentes da cota de passagens.
Em sua defesa, o candidato disse que os dois viajaram juntos, mas a companhia aérea trocou os cartões de crédito no momento da emissão, sendo que a passagem de Ciro fora paga com recursos particulares e a da mãe dele com a verba parlamentar. A própria empresa confirmou o erro.
A assessoria dele reafirmou que em toda sua vida pública, Ciro "nunca respondeu a nenhum inquérito por corrupção ou malversação do dinheiro público".
Também em 2009, foi descoberto que o deputado usou cota de passagens para pagar a viagem de um chefe de cozinha, da esposa e do ajudante dele, de Fortaleza a Brasília. O gabinete disse na ocasião que os gastos estavam "em conformidade com as normas vigentes da Câmara dos Deputados".
Sem cargo público em vista, Ciro Gomes já anunciou que não apoiará Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno das eleições. Fernando Haddad (PT) poderia receber eventuais acenos do ex-candidato, que ficou em terceiro lugar (com 12,47% dos votos), mas o martelo só será batido na quarta-feira (10). 
Não é mais possível, para mim, andar com o PT na política, diz Ciro

Reprodução/Câmara dos Deputados

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.