Ads Top

Daily Mail: 'Covid-19 NÃO tem ancestral natural crível' e foi criado por cientistas chineses que, em seguida, tentaram cobrir seus rastros com 'retro-engenharia' para fazer parecer que naturalmente surgiu de morcegos, afirma novo estudo explosivo

  • Um novo estudo explosivo afirma que pesquisadores encontraram "impressões digitais únicas" em amostras de COVID-19 que eles dizem que só poderiam ter surgido da manipulação em um laboratório
  • DailyMail.com obteve com exclusividade o novo artigo de 22 páginas de autoria do professor britânico Angus Dalgleish e do cientista norueguês Dr. Birger Sørensen, apresentado para publicação na Revista Trimestral de Biofísica Discovery
  • O estudo mostrou que há evidências que sugerem que cientistas chineses criaram o vírus enquanto trabalhavam em um projeto de Ganho de Função em um laboratório de Wuhan.
  • A pesquisa Gain of Function, que foi temporariamente proibida nos EUA, envolve alterar vírus que ocorrem naturalmente para torná-los mais infecciosos, a fim de estudar seus potenciais efeitos em humanos
  • De acordo com o jornal, cientistas chineses pegaram um coronavírus natural 'espinha dorsal' encontrado em morcegos de cavernas chineses e emendaram-no um novo "pico", transformando-o no MORTAL e altamente transmissível COVID-19
  • Os pesquisadores, que concluíram que o COVID-19 "não tem ancestral natural crível", também acreditam que os cientistas criaram versões reversas do vírus para encobrir seus rastros
  • "Achamos que foram criados vírus retro-projetados", disse Dalgleish à DailyMail.com. Eles mudaram o vírus, e tentaram descobrir que estava em uma sequência anos atrás.
  • O estudo também aponta para "destruição deliberada, ocultação ou contaminação de dados" em laboratórios chineses e observa que "cientistas que queriam compartilhar suas descobertas não foram capazes de fazê-lo ou desapareceram"
  • Até recentemente, a maioria dos especialistas negou firmemente que as origens do vírus eram algo além de uma infecção natural saltando de animais para humanos
  • No início desta semana, o Dr. Anthony Fauci defendeu o financiamento dos EUA do Instituto de Virologia de Wuhan, dizendo que a bolsa de US$ 600.000 não foi aprovada para a pesquisa Gain of Function


Um novo estudo explosivo afirma que cientistas chineses criaram o COVID-19 em um laboratório de Wuhan, depois tentaram cobrir seus rastros por versões de engenharia reversa do vírus para fazer parecer que ele evoluiu naturalmente de morcegos.


Os autores do artigo, o professor britânico Angus Dalgleish e o cientista norueguês Dr. Birger Sørensen, escreveram que eles tiveram "evidências prima facie de retro-engenharia na China" por um ano - mas foram ignorados por acadêmicos e grandes revistas.


Dalgleish é professor de oncologia na Universidade de St. George, em Londres, e é mais conhecido por sua descoberta criando a primeira "vacina contra o HIV" em funcionamento, para tratar pacientes diagnosticados e permitir que eles saiam da medicação por meses.


Sørensen, virologista, é presidente da empresa farmacêutica Immunor, que desenvolveu um candidato à vacina contra coronavírus chamado Biovacc-19. Dalgleish também tem opções de ações na empresa.


As alegações chocantes do estudo incluem acusações de "destruição deliberada, ocultação ou contaminação de dados" em laboratórios chineses, e observa o silenciamento e desaparecimento de cientistas no país comunista que falaram.


O artigo da revista, obtido com exclusividade pelo DailyMail.com e submetido à publicação nos próximos dias, deve fazer ondas entre a comunidade científica, já que a maioria dos especialistas negou até recentemente que as origens do COVID-19 eram algo além de uma infecção natural saltando de animais para humanos.






Os autores do artigo, o cientista norueguês Dr. Birger Sørensen (esquerda) e o professor britânico Angus Dalgleish (direita) disseram que as tentativas iniciais de publicar suas descobertas foram rejeitadas por grandes revistas científicas



Embora a China tenha tentado insistir que o vírus se originou em outros lugares, acadêmicos, políticos e a mídia começaram a contemplar a possibilidade de que ele escapou do WIV - levantando suspeitas de que as autoridades chinesas simplesmente esconderam evidências da propagação inicial


IMAGENS MOSTRAM INSTITUTO DE VIROLOGIA DE WUHAN COM VÁRIOS SEGURANÇAS


Enquanto analisavam amostras de COVID-19 no ano passado na tentativa de criar uma vacina, Dalgleish e Sørensen descobriram "impressões digitais únicas" no vírus que eles dizem que só poderiam ter surgido da manipulação em um laboratório.

Eles disseram que tentaram publicar suas descobertas, mas foram rejeitados por grandes revistas científicas que na época estavam resolutas de que o vírus saltou naturalmente de morcegos ou outros animais para humanos.

Mesmo quando o ex-chefe do MI6 Sir Richard Dearlove falou publicamente dizendo que a teoria dos cientistas deveria ser investigada, a ideia foi descartada como "fake news".

Mais de um ano depois, os principais acadêmicos, políticos e a mídia finalmente viraram, e começaram a contemplar a possibilidade de que o COVID-19 escapou do Instituto wuhan de virologia na China - um laboratório onde experimentos incluíam manipulação de vírus para aumentar sua infecciosidade, a fim de estudar seus potenciais efeitos em humanos.

Esta semana, o presidente Joe Biden ordenou que a comunidade de inteligência reexaminasse como o vírus se originou, incluindo a teoria dos acidentes em laboratório.

O anúncio se seguiu à revelação de que um relatório de inteligência não revelado anteriormente havia sido feito à Casa Branca, alegando que vários pesquisadores do instituto Wuhan foram hospitalizados com doença em novembro de 2019. O documento foi descoberto esta semana pelo Wall Street Journal.

As autoridades de saúde dos EUA também foram incendiadas por supostamente financiarem experimentos controversos e arriscados dos pesquisadores no laboratório de Wuhan.


DailyMail.com obteve com exclusividade o jornal de 22 páginas. Nele, pesquisadores descrevem sua 'análise forense' de meses em experimentos feitos no laboratório de Wuhan entre 2002 e 2019




   



Uma tabela 'GenBank' incluída no documento lista várias cepas de coronavírus, com as datas coletadas e, em seguida, quando foram submetidas ao banco genético, mostrando um atraso de vários anos para alguns



Um diagrama do coronavírus mostra seis "impressões digitais" identificadas pelos dois cientistas, que dizem mostrar que o vírus deve ter sido feito em laboratório


Um segundo diagrama mostrou como uma linha de quatro aminoácidos encontrados no pico SARS-Cov-2 tem uma carga positiva que se apega às células humanas como um ímã, tornando o vírus extremamente infeccioso


Agora, Dalgleish e Sørensen são autores de um novo estudo, que conclui que "o SARS-Coronavirus-2 não tem ancestral natural crível" e que é "além da dúvida razoável" que o vírus foi criado através de "manipulação laboratorial".

No artigo de 22 páginas que foi submetido à publicação na revista científica Quarterly Review of Biophysics Discovery, os cientistas descrevem sua "análise forense" de meses, olhando para os experimentos feitos no laboratório de Wuhan entre 2002 e 2019.

Vasculhando arquivos de revistas e bancos de dados, Dalgleish e Sørensen juntaram como cientistas chineses, alguns trabalhando em conjunto com universidades americanas, supostamente construíram as ferramentas para criar o coronavírus.

Grande parte do trabalho foi centrada em torno da controversa pesquisa "Gain of Function" – temporariamente proibida nos EUA sob o governo Obama.

O ganho de função envolve ajustar vírus que ocorrem naturalmente para torná-los mais infecciosos, para que possam se replicar em células humanas em laboratório, permitindo que o efeito potencial do vírus em humanos seja estudado e melhor compreendido.

Dalgleish e Sørensen afirmam que os cientistas que trabalham em projetos de Gain of Function pegaram uma "espinha dorsal" natural do coronavírus encontrada em morcegos de cavernas chineses e emendaram-no um novo "pico", transformando-o no mortal e altamente transmissível SARS-Cov-2.

Um sinal de suposta manipulação que os dois homens destacaram foi uma fileira de quatro aminoácidos que encontraram no pico SARS-Cov-2.

Em entrevista exclusiva à DailyMail.com, Sørensen disse que todos os aminoácidos têm uma carga positiva, o que faz com que o vírus se apegue fortemente às partes negativamente carregadas das células humanas como um ímã, e assim se tornam mais infecciosos.

Mas como ímãs, os aminoácidos carregados positivamente se repelem, é raro encontrar até três seguidas em organismos de ocorrência natural, enquanto quatro seguidos são "extremamente improváveis", disse o cientista.

"As leis da física significam que você não pode ter quatro aminoácidos carregados positivamente em seguida. A única maneira de conseguir isso é se você fabricá-lo artificialmente", disse Dalgleish à DailyMail.com.

Seu novo artigo diz que essas características do SARS-Cov-2 são "impressões digitais únicas" que são "indicativas de manipulação purposive", e que "a probabilidade de ser o resultado de processos naturais é muito pequena".

"Espera-se que uma pandemia de vírus natural se mute gradualmente e se torne mais infecciosa, mas menos patogênica, o que muitos esperavam com a pandemia COVID-19, mas que não parece ter acontecido", escreveram os cientistas.

"A implicação de nossa reconstrução histórica, nós postamos agora sem dúvida razoável, do vírus quimérico purposivamente manipulado SARS-CoV-2 torna imperativo reconsiderar que tipos de experimentos de Ganho de Função é moralmente aceitável para empreender.

"Devido ao amplo impacto social, essas decisões não podem ser deixadas apenas para os cientistas de pesquisa."



O estudo concluiu que 'SARS-Coronavirus-2 não tem ancestral natural crível' e que é "além da dúvida razoável" que o vírus foi criado através de "manipulação laboratorial"



O estudo afirma que cientistas do laboratório de Wuhan (foto) que trabalham em projetos de Gain of Function pegaram uma "espinha dorsal" coronavírus natural encontrada em morcegos de cavernas chineses e emendaram-no um novo "pico", transformando-o no MORTAL e altamente transmissível COVID-19


Durante uma audiência no Senado na quarta-feira, o conselheiro médico chefe da Casa Branca, Dr. Anthony Fauci, admitiu que não tinha certeza de que o financiamento dos EUA para pesquisadores do laboratório de Wuhan não foi gasto em experimentos controversos e arriscados de Ganho de Função.

"Como você sabe que eles não mentiram para você e usar o dinheiro para ganho de pesquisa de função de qualquer maneira?" O senador da Louisiana John Kennedy perguntou a Fauci.

"Nunca se sabe", respondeu ele, mas acrescentou que os cientistas do laboratório são "confiáveis".

O diretor do National Institutes of Health, Dr. Francis Collins, disse na audiência que cientistas financiados pelos EUA no laboratório "não foram aprovados pelo NIH para fazer o ganho de pesquisa de funções".

Em outra afirmação marcante contida no artigo de pesquisa, Dalgleish e Sørensen dizem ter evidências de que, após o início da pandemia, cientistas chineses colheram amostras do vírus COVID-19 e o "retro-engineeraram", fazendo parecer que ele havia evoluído naturalmente.

Eles disseram que suspeitavam de uma série de novas cepas subitamente inseridas em bancos de dados genéticos por cientistas predominantemente chineses no início de 2020, anos depois de terem sido registradas como sendo coletadas.

"Achamos que foram criados vírus retro-projetados", disse Dalgleish à DailyMail.com. Eles mudaram o vírus, e tentaram descobrir que estava em uma sequência anos atrás.

Em seu artigo, Dalgleish e Sørensen também apontaram para "destruição deliberada, ocultação ou contaminação de dados" em laboratórios chineses e observaram que "cientistas chineses que desejavam compartilhar seus conhecimentos não foram capazes de fazê-lo ou desapareceram".

Parece que o material do vírus preservado e informações relacionadas foram destruídos. Portanto, somos confrontados com grandes lacunas de dados que podem nunca ser preenchidas", escreveram.

'Tensões 'apareceram' depois de janeiro de 2020 não são críveis... Por um ano, possuímos evidências prima facie de retro-engenharia na China no início de 2020."

Em janeiro do ano passado, DailyMail.com revelou que os cientistas vinham alertando sobre o risco de patógenos mortais escaparem do laboratório de Wuhan desde que foi inaugurado em 2017.

A China instalou o primeiro de um planejado de cinco a sete biolabs projetados para máxima segurança em Wuhan em 2017, com o objetivo de estudar os patógenos de maior risco, incluindo os vírus Ebola e SARS.

Tim Trevan, consultor de biossegurança de Maryland, disse à revista científica Nature naquele ano, quando o laboratório estava prestes a abrir, que ele temia que a cultura da China pudesse tornar o instituto inseguro porque "estruturas onde todos se sentem livres para falar e a abertura de informações são importantes".

Na verdade, o vírus SARS 'escapou' várias vezes de um laboratório em Pequim, de acordo com o artigo da Nature.

Funcionários do Departamento de Estado dos EUA visitaram o instituto Wuhan em 2018 e enviaram dois avisos oficiais de volta a DC alertando o governo para a falta de segurança lá, de acordo com o Washington Post.

O Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan, abrigado no Instituto de Virologia de Wuhan, foi o primeiro laboratório da China a ser classificado como nível 4 de biossegurança, a classificação mais segura.

Mas Sørensen disse que acredita que o vírus escapou de áreas de segurança mais baixas do instituto, onde ele acredita que a pesquisa Gain of Function foi realizada.

Vimos vazamentos de laboratório e sabemos que está acontecendo. Também sabemos pelos relatórios que vimos, que o coronavírus é trabalhado em laboratórios de Biossegurança Nível 2 ou 3. Se eles fazem Ganho de Função em tais laboratórios, o que você espera?

Em fevereiro de 2020, um pesquisador de biomecânica molecular da Universidade de Tecnologia do Sul da China, Botao Xiao, publicou um artigo afirmando que "o coronavírus assassino provavelmente se originou de um laboratório em Wuhan", destacando questões de segurança no instituto.


Como as alegações explosivas de Dalgleish e Sørensen foram ignoradas por acadêmicos e grandes revistas por um ano

As alegações explosivas de Dalgleish e Sørensen têm sido altamente controversas desde que apresentaram pela primeira vez a hipótese de um vírus feito pelo homem no verão passado.


Em junho de 2020, após a teoria de Dalgleish e Sørensen ser defendida por um ex-chefe do MI6, o Times of London citou fontes do MI5 descartando a teoria como "fake news".


Gunnveig Grødeland, pesquisador de vacinas da Universidade de Oslo, disse à Forbes em junho do ano passado que as partes do vírus que Dalgleish e Sorensen acreditam que devem ser feitas pelo homem, de fato aparecem na natureza.


"Exemplos podem ser encontrados em outros vírus, incluindo subtipos de gripe (incluindo 'gripe aviária'), HIV e vários coronavírus humanos (MERS, OC43, HKU1)", disse ela.


Rachael Tarlinton, professora associada de virologia veterinária da Universidade de Nottingham, disse à Sky News que a teoria de Dalgleish e Sorensen era "pensamento mágico" em uma entrevista em julho de 2020.


"As teorias de liberação artificial parecem ser uma forma de 'pensamento mágico' - uma solução simplista para um problema complexo onde se alguém pode ser culpado, então alguém pode ser removido e o problema desaparecer", disse ela.


Um dos maiores críticos dos dois cientistas foi o professor Kristian Andersen, do departamento de imunologia e microbiologia da instalação de pesquisa Scripps, na Califórnia, que descreveu o primeiro artigo de Dalgleish e Sorensen no verão passado como "completo absurdo, ininteligível e nem remotamente científico".


Meses antes, uma declaração publicada na Lancet por um grupo de 27 cientistas disse: "Estamos juntos para condenar fortemente teorias conspiratórias sugerindo que o Covid-19 não tem uma origem natural."


A declaração, divulgada em 19 de fevereiro de 2020, acrescentou que os cientistas "concluem esmagadoramente que esse coronavírus se originou na vida selvagem".


Três dos autores mais tarde recuaram, dizendo que achavam que um acidente de laboratório era plausível.


Um artigo de um grupo de cientistas proeminentes foi publicado na principal revista Nature em 17 de março de 2020, coautoria do professor Andersen, concluindo que "as evidências mostram que o SARSCoV-2 não é um vírus propositalmente manipulado", e que "não acreditamos que qualquer tipo de cenário baseado em laboratório seja plausível".


Os cientistas acrescentaram que era "atualmente impossível provar ou refutar as outras teorias de sua origem".


Em seu novo artigo, Dalgleish e Sorensen criticaram as conclusões de Andersen e seus colegas, dizendo que alguns dos estudos que os cientistas opositores usaram para apoiar suas alegações de fato contradizem seus próprios argumentos.


Uma semana antes da publicação do artigo da Nature, a cientista chinesa Shi Zhengli, que liderou um grupo de pesquisa de bat coronavírus no instituto Wuhan, disse à Scientific American que checou os registros de manipulação indevida de materiais experimentais, e disse que nenhum dos vírus que sua equipe amostrava das cavernas de morcegos estava entre eles.


O Escritório do Diretor de Inteligência Nacional emitiu um comunicado em 30 de abril do ano passado dizendo: "A Comunidade de Inteligência também concorda com o amplo consenso científico de que o vírus COVID-19 não foi feito pelo homem ou geneticamente modificado."


O diretor disse que a comunidade de inteligência "examinaria rigorosamente" se o vírus escapou do laboratório de Wuhan ou se a primeira infecção surgiu através do contato com animais infectados.


Xiao retirou o jornal semanas depois depois que as autoridades chinesas negaram qualquer acidente no laboratório.


No mesmo mês, um grupo de 27 cientistas escreveu uma declaração na revista The Lancet, dizendo que "condenam fortemente teorias conspiratórias sugerindo que o Covid-19 não tem uma origem natural" e "concluem esmagadoramente que este coronavírus se originou na vida selvagem".


Três dos autores mais tarde disseram ao Wall Street Journal que agora acreditam que um acidente de laboratório vale a pena ser considerado como uma explicação para as origens do Covid-19.

Dalgleish disse à DailyMail.com que acreditava que a resistência à teoria de que o COVID-19 é um vírus causado pelo homem, escapa de cientistas com medo de que a revelação fechasse seu campo.

"Isso parece uma defesa fraca para proteger a disciplina para que esse tipo de engenharia genética não seja interferida", disse ele. "Eu não faço nenhum osso sobre isso. A engenharia do Ganho de Função deveria ter sido banida há muito tempo.

Questionado em uma audiência no Congresso esta semana, o conselheiro médico chefe da Casa Branca, Dr. Anthony Fauci, negou que qualquer financiamento dos EUA tenha sido destinado à pesquisa gain of function no Instituto wuhan de virologia.

Fauci disse aos legisladores que os Institutos Nacionais de Saúde comprometeram US$ 600.000 ao laboratório chinês através da Aliança EcoHealth sem fins lucrativos, para estudar se os coronavírus morcegos poderiam ser transmitidos para humanos.

O diretor do NIH, Dr. Francis Collins, também disse na audiência que os cientistas financiados pelos EUA no laboratório "não foram aprovados pelo NIH para fazer o ganho de pesquisa de função".

"Não estamos cientes, é claro, de outras fontes de fundos ou outras atividades que possam ter realizado fora do que nossa subvenção aprovada permitiu", acrescentou.

O NIH deixou de financiar a Aliança EcoHealth em abril de 2020.

O Daily Mail tem perguntado se o vírus provém de um laboratório de Wuhan desde abril de 2020.

O Daily Mail tem constantemente questionado o consenso de que o COVID-19 foi transmitido de humanos para animais.


Nossos repórteres investigaram os detalhes e desafiaram as suposições sobre como a pandemia se originou. 



APRIL 4, 2020: 

O coronavírus vazou de um laboratório de pesquisa em Wuhan? Nova teoria surpreendente 'não está mais sendo descontada' em meio a alegações de que funcionários 'foram infectados após serem pulverizados com sangue'

Os ministros temem que a pandemia do coronavírus possa ter sido causada por um vazamento de um laboratório chinês, o The Mail on Sunday pode revelar.

Fontes do governo sênior dizem que, embora "o equilíbrio dos conselhos científicos" ainda seja que o vírus mortal foi transmitido pela primeira vez a humanos de um mercado animal vivo em Wuhan, um vazamento de um laboratório na cidade chinesa "não está mais sendo descontado".

Um membro do Cobra, o comitê de emergência liderado por Boris Johnson, disse ontem à noite que, embora a última inteligência não conteste que o vírus era "zoonótico" – originário de animais – não descartou que o vírus se espalhe pela primeira vez para humanos depois de vazar de um laboratório de Wuhan.

APRIL 15, 2020:

Mike Pompeo exige verdade de Pequim enquanto EUA investigam se COVID-19 escapou do laboratório de Wuhan durante experimentos e a China encobriu culpando mercados de alimentos 'molhados'

O secretário de Estado Mike Pompeo exigiu que a China "se revelasse" após relatos de que o coronavírus se originou em um laboratório chinês, não como uma arma biológica, mas como parte de experimentos para provar que os cientistas chineses eram superiores aos americanos na identificação de ameaças emergentes de vírus.

Isso ocorre depois que o presidente Donald Trump disse na quarta-feira que os EUA estão tentando determinar se o coronavírus cruzou pela primeira vez para humanos acidentalmente durante experimentos com morcegos no Laboratório de Virologia do Instituto Wuhan.

Depois que a notícia do surto finalmente se tornou pública, os líderes chineses foram rápidos em culpar o "mercado molhado" de Wuhan, onde animais selvagens - embora não morcegos - são vendidos para consumo, levando uma fonte a dizer à Fox News que o desastre é o "mais caro encobrimento do governo de todos os tempos".



MAY 2, 2020: 

Wuhan laboratório de vírus 'encobrimento': Fotos surpreendentes de cientistas usando pouca proteção enquanto lidam com amostras mortais de morcegos desaparecem de site de instituto chinês no centro de suspeita global sobre pandemia

Imagens que parecem mostrar padrões de segurança frouxos no laboratório chinês no centro da suspeita internacional sobre o Covid-19 foram sistematicamente excluídas de seu site – à medida que Donald Trump continua a aumentar a pressão sobre Pequim sobre seu potencial papel no surto.

Durante o mês passado, o Instituto de Virologia de Wuhan removeu fotografias de cientistas trabalhando em seus laboratórios e editou referências a visitas de diplomatas americanos que posteriormente levantaram o alarme sobre o trabalho do laboratório sobre morcegos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na quinta-feira que havia visto informações que lhe deram um "alto grau de confiança" de que a crise global teve suas origens no instituto – um mês depois que o The Mail on Sunday revelou pela primeira vez que ministros do Gabinete britânico haviam recebido instruções confidenciais levantando a possibilidade de um vazamento do instituto.

Downing Street não teve problemas com as observações do presidente Trump. "Há claramente perguntas que precisam ser respondidas sobre a origem e a disseminação do vírus", disse um porta-voz de Boris Johnson.

30 DE MAIO DE 2020:

Pequim agora admite que o coronavírus NÃO começou no mercado de Wuhan... Então, de onde ele veio 

A China se acostumou com confissões públicas na televisão. Mas desta vez as palavras vieram de um dos principais funcionários do país e tiveram implicações globais sísmicas.

"No início, assumimos que o mercado de frutos do mar poderia ter o vírus, mas agora o mercado é mais como uma vítima", disse Gao Fu, diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças.

A análise inicial de Gao fez sentido após surtos anteriores de vírus zoonóticos (doenças que saltam de animais para humanos). No entanto, a suspeita cresceu sobre a falha do governo chinês em compartilhar dados de animais amostrados no mercado após seus primeiros encobrimentos.

2 de janeiro de 2021: 

Vazamento de laboratório na China é a fonte 'mais crível' do surto de coronavírus, diz alto funcionário do governo dos EUA, em meio a alegações bombásticas de que cientista wuhan se tornou delator

Um dos mais altos funcionários do governo americano diz que a teoria mais "crível" sobre a origem do coronavírus é que ele escapou de um laboratório na China.

Matthew Pottinger, que é o respeitado vice-conselheiro de Segurança Nacional do presidente Donald Trump,disse a políticos de todo o mundo que até mesmo os líderes da China agora admitem abertamente suas alegações anteriores de que o vírus originado em um mercado de Wuhan são falsas.

Pottinger disse que a última inteligência aponta para o vazamento do vírus do ultrassecreto Instituto de Virologia de Wuhan, a 11 milhas do mercado, dizendo: "Há um conjunto crescente de evidências de que o laboratório é provavelmente a fonte mais confiável do vírus."

9 de janeiro de 2021:

Novos temores de encobrimento à medida que as autoridades chinesas excluem dados críticos sobre o laboratório de Wuhan com detalhes de 300 estudos desaparecendo - incluindo todos aqueles realizados pelo virologista apelidado de Batwoman

O governo chinês está enfrentando novas acusações de um encobrimento depois que funcionários excluíram dados on-line cruciais sobre o laboratório suspeito de ser a fonte do Covid-19.

O Mail on Sunday pode revelar que centenas de páginas de informações relacionadas a estudos realizados pelo ultrassecreto Instituto de Virologia de Wuhan foram apagadas.

Detalhes de mais de 300 estudos, incluindo muitas doenças que investigam doenças que passam de animais para humanos, publicados online pela estatal National Natural Science Foundation of China (NSFC) não estão mais disponíveis.

24 de abril de 2021:

Novas pistas preocupantes sobre as origens de Covid: Como cientistas do laboratório de Wuhan ajudaram o exército chinês em projeto secreto para encontrar vírus animais 

Cientistas que estudavam doenças de morcegos no laboratório de segurança máxima da Chinaem Wuhan estavam envolvidos em um projeto maciço para investigar vírus animais ao lado de oficiais militares líderes – apesar de suas negações de tais ligações.

Documentos obtidos pelo The Mail on Sunday revelam que um esquema nacional, dirigido por um importante órgão estatal, foi lançado há nove anos para descobrir novos vírus e detectar a "matéria escura" da biologia envolvida na disseminação de doenças.


fonte: DAILYMAIL

tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.