Ads Top

Trump diz que está suspendendo imigração por causa do coronavírus, necessidade de proteger empregos



O presidente Donald Trump disse na segunda-feira que está suspendendo a imigração para os Estados Unidos em resposta à pandemia de coronavírus e à "necessidade de proteger empregos".

Em um tweet na noite de segunda-feira, o presidente atribuiu a suspensão a um "ataque do Inimigo Invisível" e à "necessidade de proteger os empregos de nossos grandes cidadãos americanos".

Ele acrescentou que assinaria uma ordem executiva suspendendo a imigração.

Trump restringiu anteriormente as viagens da China e da Europa para impedir a propagação do coronavírus.

Não está claro no tweet do presidente se a ordem impediria cidadãos não americanos de viajar para o país para fins como negócios ou para visitar a família.

Funcionários da Casa Branca ofereceram poucos detalhes na segunda à noite.

A mudança "estava em consideração há algum tempo", disse um alto funcionário da administração à NBC News. O funcionário disse que, embora Trump acredite que os EUA estão vencendo a luta contra o coronavírus, ele também acha que é importante fazer todos os esforços para avançar e proteger as fronteiras para evitar uma maior propagação.

O funcionário disse que detalhes sobre como o plano seria implementado e quantos países seriam afetados "serão próximos".

 A ordem executiva poderia ser assinada já nesta semana, de acordo com o funcionário da administração, que não ofereceu detalhes sobre se havia sido elaborado ou onde o processo está.

A imigração tem sido uma questão que tem energizado os principais apoiadores do presidente, e o tweet de segunda-feira à noite não será, sem dúvida, diferente.

A imigração para os EUA já está funcionalmente fechada. O governo Trump fechou a fronteira EUA-Canadá e começou a deportar solicitantes de asilo e outros migrantes na fronteira sul sem o devido processo legal. As viagens aéreas internacionais foram em grande parte suspensas.

Defensores da imigração e ativistas criticaram o anúncio de Trump, chamando a medida de radical e sem precedentes.

"A implicação é que os imigrantes são uma ameaça para a economia americana, mas sabemos exatamente o oposto de ser verdade", disse Krish O'Mara Vignarajah, presidente e CEO do Serviço Luterano de Imigração e Refugiados. "Enquanto os imigrantes em toda a América estão na linha de frente arriscando suas vidas para salvar a nossa, é simplesmente inconcebível para os imigrantes bodes expiatórios para esta pandemia."

A senadora Kamala Harris, d-Calif., disse que o presidente estava se aproveitando da situação para empurrar suas políticas de imigração linha-dura.
"Trump não levou essa crise a sério desde o primeiro dia. Seu abandono de seu papel como presidente custou vidas. E agora, ele está politizando descaradamente essa pandemia para dobrar sua agenda anti-imigrante", tuitou Harris.
O presidente disse no mês passado que estava discutindo fechar as fronteiras do país com o México e o Canadá por causa do vírus. Um alto funcionário disse à NBC News então que a administração estava explorando novas restrições em meio a temores de que um grande número de centro-americanos tentaria acessar ilegalmente o sistema de saúde dos EUA.
De acordo com dados coletados pela Universidade Johns Hopkins, Honduras registrou 477 casos confirmados e 46 mortes, superando os chamados países do "triângulo norte" — El Salvador, Honduras e Guatemala.
A Reuters informou na segunda-feira que o Peru foi o país latino-americano mais atingido, com mais de 400 mortes e quase 16.000 casos.
Fonte:NBC NEWS
Tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.