Ads Top

Pesquisa mostra que 54% querem impeachment de Jair Bolsonaro


A mais recente pesquisa da Atlas Política mostra aumento entre os que reprovam a atuação do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e entre os favoráveis a um processo de impeachment do chefe do Executivo. A pesquisa foi feita entre 24 e 26 de abril, com 2 mil pessoas de variadas regiões do país. O levantamento mostra, também, que a avaliação positiva de Bolsonaro tem mantido uma tendência de queda desde fevereiro. A saída do ex-juiz Sérgio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública e as tentativas do presidente de interferir em investigações da Polícia Federal colaboraram para o cenário ruim.

Tanto é que a maioria dos entrevistados deu razão a Moro na disputa pela manutenção ou demissão do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, e um número ainda maior afirmou que o governo enfraqueceu com a saída de Moro. De acordo com o levantamento, 64,4% reprovam o desempenho do presidente, contra 30,5% que aprovam e 5,1% que dizem não saber. De 15 a 25 de abril, a quantidade dos brasileiros que desaprovam o governo subiu de 58,2% para 64%. A dos que aprovam, por sua vez, caiu de 37,6% para 30,5%, e os que não sabem se aprovam ou desaprovam subiu de 4,2% para 5,1%.

Na série histórica, questionados sobre como avaliam o governo, o número de entrevistados que responderam ruim ou péssimo subiu de 23% em fevereiro de 2019 para 49% em abril de 2020. Já os que consideram regular caíram de 30% para 28% no mesmo período, com algumas variações no caminho. E os que consideram o governo ótimo ou bom foram de 39% para 21% em 14 meses. Os que não sabem caíram de 9% para 2%.

À pergunta “você é contra ou a favor do impeachment de Bolsonaro, 54,1% se disseram favoráveis, 36,6%, são contra e 9,3% não souberam responder. Entre maio de 2019 e abril de 2020, o número de favoráveis subiu de 38% para 54%, e o de contrários, por sua vez, caiu de 49% para 37%. E 58% afirmam que o presidente não terminará o mandato, contra 28,4% que acreditam que ele terminará.


Aparelhamento da Polícia Federal

A demissão de Maurício Valeixo da diretoria geral da Polícia Federal também entrou na pesquisa. Dos entrevistados, 14,4% disseram concordar com a atitude de Jair Bolsonaro de demitir Valeixo. Outros 68% discordaram da demissão e 17,6% não souberam responder. Além disso, 72,2% disseram concordar com as críticas de Sérgio Moro a Jair Bolsonaro, sobre a intenção do presidente de interferir nas investigações da PF, 19,1% discordaram e 8,7% não souberam responder. 


Um total de 58,6% dos entrevistados deu razão à Moro na disputa por conta da demissão de Valeixo. Outros 17% disse que nenhum dos dois estava certo, 15,7% deram razão a Bolsonaro e 8,7% não souberam responder.

Questionados sobre se a saída de Moro melhora ou piora a avaliação do presidente da República, 66,1% disseram que piora, um número bem menor, mais ainda expressivo, 27,8% disseram que não altera, 4,2% disseram que melhora a avaliação e 1,9% não souberam responder. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.