Ads Top

Exclusivo: Senado dos Estados Unidos confirma que houve interferência Russa, nas Eleições de 2016 para favorecer Trump contra Hillary Clinton


Como já mostramos por aqui, nos 3 Livros que mostravam que Donald Trump seria Presidente dos Eua, antes mesmo dele nascer: https://www.bastidoresdanet.com/2020/04/os-3-livros-que-revelavam-que-donald.html e pasmem assim como no Livro, a interferência da Rússia aconteceu na vida real. 

Um novo relatório bipartidário do Comitê de Inteligência do Senado reafirma a posição do painel de que a Rússia lançou uma campanha de interferência eleitoral "sem precedentes" em 2016 para ajudar Donald Trump a derrotar Hillary Clinton.



O Comitê de Inteligência do Senado é presidido pelo senador republicano Richard Burr da Carolina do Norte.

O quarto volume de 158 páginas, fortemente redigido do painel de Inteligência do Senado sobre a interferência eleitoral russa e a resposta do governo dos EUA a ela, prejudica a campanha de anos do presidente para enquadrar a avaliação da comunidade de inteligência em 2017 de que o presidente russo Vladimir Putin procurou ajudar o Sr. Trump como uma "farsa" perpetrada por funcionários de inteligência dos EUA que não gostam dele.

A Avaliação da Comunidade de Inteligência (ICA) de 2017 é "um produto de inteligência sólida", conclui o relatório do Senado.



O relatório de terça-feira também mantém o comitê do sr. Burr em desacordo com os republicanos no Comitê de Inteligência da Câmara, que concluiu em seu próprio relatório de 253 páginas em 2018 que funcionários da inteligência exibiram "falhas no comércio" durante sua investigação e avaliação da interferência eleitoral russa e dos motivos do sr. Putin.

O ICA de 2017 "reflete forte tradecraft, raciocínio analítico sólido e justificativa adequada de discordância na única linha analítica em que ocorreu", conclui o relatório.

O relatório do Senado também afirma que não encontrou evidências de que os funcionários da inteligência dos EUA que compilaram o ICA de 2017 que descobriram que a Rússia interferiu em 2016 para apoiar o sr. Trump estavam operando sob pressões políticas ou de outra forma politicamente motivadas.

"Em todas as entrevistas daqueles que elaboraram e prepararam o ICA, o Comitê ouviu consistentemente que os analistas não estavam sob pressão politicamente motivada para chegar a conclusões específicas", afirma o relatório. "Todos os analistas expressaram que estavam livres para debater, se opor ao conteúdo e avaliar os níveis de confiança, como é normal e adequado para o processo analítico."


Em uma declaração na terça-feira, burr elogiou o trabalho da comunidade de inteligência em 2017 e ecoou seu aviso de que os americanos devem estar atentos aos esforços repetidos do Kremlin em 2020 para espalhar desinformação antes da eleição presidencial em 3 de novembro.

"Uma das conclusões mais importantes do ICA foi que os esforços agressivos de interferência da Rússia devem ser considerados 'o novo normal", disse Burr.

"Esse aviso foi suportado pelos acontecimentos dos últimos três anos, à medida que a Rússia e seus imitadores usam cada vez mais a guerra da informação para semear o caos social e a discórdia. Com a eleição presidencial de 2020 se aproximando, é mais importante do que nunca que permaneçamos vigilantes contra a ameaça de interferência de atores estrangeiros hostis", disse ele.

O Comitê de Inteligência do Senado não anunciou quando divulgará o quinto e último volume de seu relatório, que, no total, deverá ser de quase 1.000 páginas.

Esse volume final do relatório pode ser o mais sensível politicamente até agora, pois se concentrará nos esforços de contra inteligência dos EUA em 2016, quando a Rússia estava tentando fazer contato com conselheiros sobre a campanha de Trump, incluindo o filho do presidente Donald Trump Jr, e seu presidente de campanha Paul Manafort,e seu genro Jared Kushner.

O conselheiro especial Robert Mueller informou no ano passado que sua equipe encontrou "evidências de numerosas ligações" entre membros da campanha de Trump e pessoas com laços — ou que alegaram ter laços — com o governo russo.

O senhor deputado Mueller, no entanto, recusou-se a apresentar quaisquer acusações contra o senhor deputado Manafort, o senhor deputado Kushner, o senhor Deputado Trump ou qualquer outro na campanha por seus contatos com supostos agentes russos devido a preocupações de que seria difícil provar a um júri que eles deliberadamente infringiram leis de campanha que proíbem tal comportamento.

FONTE:https://www.independent.co.uk/news/world/americas/us-politics/trump-russia-election-inference-senate-intelligence-report-a9476921.html

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.