Ads Top

OMS alega que abortos devem ser feitos para ¨conter¨ Coronavírus


A Organização Mundial da Saúde (OMS), que já foi alvo de críticas por ter durante a atual pandemia, agora sofre críticas de um tipo diferente, que estão atormentando a organização. A OMS divulgou uma declaração de no sábado, afirmando que eles continuarão priorizando o aborto, desviando os recursos médicos para o que eles rotularam de saúde reprodutiva.

“As escolhas e os direitos das mulheres aos cuidados de saúde sexual e reprodutiva devem ser respeitados, independentemente de ela ter ou não uma suspeita ou confirmação de infecção por COVID-19″, disse a OMS no comunicado. “Os cuidados de saúde sexual e reprodutiva são essenciais para a cobertura universal de saúde e a conquista do direito à saúde”.

“Isso inclui a contracepção, os cuidados de saúde de qualidade durante e após a gravidez e o parto e aborto seguro em toda a extensão da lei,” disse a OMS.

Isso é consistente com a posição de sua organização matriz, as Nações Unidas. Em 2018, o Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC) elaborou uma resolução colocando a vida da mãe à frente da do feto.

“Embora os Estados Partes possam adotar medidas destinadas a regular a interrupção voluntária da gravidez, essas medidas não devem resultar em violação do direito à vida de uma mulher ou menina grávida ou de outros direitos decorrentes do Pacto”, dizia a resolução.

A resolução do CDHNU também estabeleceu o suicídio assistido como um direito humano universal.

O rabino Yosef Berger, o rabino da tumba do rei Davi no monte Sião, observou que:

“Esse amor ao aborto é uma repetição de faraó jogando bebês no [rio] Nilo”, disse Rabb Berger.


Então Faraó atacou todo o seu povo, dizendo: “Todo menino que nascer, jogará no Nilo, mas deixará toda garota viver”. Êxodo 1:22

“As pessoas leem a Bíblia hoje e pensam que não pode ser verdade. É exagerado e o que está escrito nunca poderia acontecer hoje”, disse o rabino Berger. “Mas a situação hoje é duas vezes pior do que no Egito. O faraó só matou os bebês do sexo masculino.

O rabino Hillel Weiss, porta-voz do nascente Sinédrio, reagiu fortemente ao pró-aborto da OMS.

“Isso é simplesmente horripilante. Abortos e suicídios assistidos são explicitamente contra a Lei Noahide, que proíbe o derramamento de sangue”, disse o rabino Weiss ao Breaking Israel News. “Esses valores que eles chamam de direitos humanos têm apenas um resultado possível: a destruição da humanidade.”

O Sinédrio está trabalhando com os líderes de várias nações para estabelecer um novo órgão internacional baseado em Jerusalém, com valores bíblicos que substituirão a ONU.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) é o ramo das Nações Unidas responsável pela saúde pública internacional. Ele tem um grande trabalho, mas possui um orçamento anual correspondentemente grande de US $ 4,2 bilhões. Fundada em 1851, antes da criação da ONU, a OMS foi incumbida de combater várias pandemias, dentre elas a cólera, a febre amarela e a peste bubônica. No entanto, a OMS foi criticada por lidar com a pandemia da gripe suína de 2009 e com o surto de Ebola de 2013 com alegações de que a organização era muito burocrática e que disseminava informações errôneas.

Mas o manejo da pandemia de coronavírus trouxe ainda mais críticas à organização, alegando que ela optou por ignorar o mau uso da China do surto em um grau que levou à sua disseminação. A China foi acusada de suprimir informações sobre o surto dentro de sua fronteira, inclusive quando começou a incluir tentativas de censurar completamente as notícias da doença. A China alegou inicialmente que não havia casos de infecção pessoa a pessoa, uma alegação que agora parece absurda, dada a volatilidade do vírus. O mercado úmido de Wuhan, onde a epidemia começou, foi reaberto.

A OMS também adotou uma política de censura a Taiwan devido à pressão da China. Essa política continuou apesar do sucesso de Taiwan no tratamento da epidemia. Em uma entrevista, o diretor-geral assistente Bruce Aylward pareceu evitar uma pergunta sobre Taiwan e, quando a pergunta foi repetida, a conexão foi “cortada”, culpando os problemas de conexão com a Internet. Quando o bate-papo por vídeo foi reiniciado, ele fez outra pergunta sobre Taiwan, mas alegou já ter respondido à pergunta e encerrado formalmente a entrevista. Além disso, a OMS tentou reduzir a associação com Aylward e, posteriormente, apagou sua página em seu site, redirecionando os visitantes para uma página de liderança geral.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.