Ads Top

Ex-Ministro da Cultura Roberto Alvim copiou frase do Nazista Joseph Goebbles em discurso

Em vídeo em que anuncia o Prêmio Nacional das Artes, o secretário de Cultura, Roberto Alvim, ao som de Richard Wagner, cita textualmente trechos de um discurso do ideólogo nazista Joseph Goebbels.
“A arte brasileira da próxima década será heróica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperava, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada”, diz Alvim no vídeo.


“A arte alemã da próxima década será heróica, será ferreamente românca, será objeva e livre de senmentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperava e vinculante, ou então não será nada”, disse Goebbels em pronunciamento para diretores de teatro, de acordo com o livro Goebbels: a Biography, de Peter Longerich.
O texto lido por Alvim em tom solene e pausado é bem mais longo, com outros trechos claramente inspirados pela ideia copiada de Goebbels. A peça de Wagner escolhida por secretário é um trecho da ópera Lohengrin que Hitler disse sua autobiografia ter tido importância capital em sua vida.
Em sua longa fala, Alvim diz que a cultura sob Bolsonaro terá inspiração nacional, religiosa. “Trata-se de um marco histórico nas artes brasileiras”, diz ele, sobre o prêmio. “2020 será o ano de uma virada histórica. 2020 será o ano do renascimento da arte e da cultura do Brasil”, encerra.
                                               Joseph Goebbles (Foto reprodução)
'Coincidência retórica'
Após a repercussão negativa da sua fala, Alvim, fez uma nota de esclarecimento em sua conta no Facebook acerca do discurso. Ele disse que a "esquerda" está fazendo uma "falácia de associação remota" entre sua fala e o ideólogo do nazismo. Omite o fato de que recebeu críticas de seu guru, Olavo de Carvalho, e de outros expoentes da ala olavista da cultura.
"Com uma coincidência retórica em UMA frase sobre nacionalismo em arte, estão tentando desacreditar todo o PRÊMIO NACIONAL DAS ARTES, que vai redefinir a Cultura brasileira… É típico dessa corja", escreve Roberto Alvim em seu post.
"Repito: foi apenas uma frase do meu discurso na qual havia uma coincidência retórica. Eu não citei ninguém. E o trecho fala de uma arte heroica e profundamente vinculada às aspirações do povo brasileiro. Não há nada de errado com a frase. Todo o discurso foi baseado num ideal nacionalista para a Arte brasileira, e houve uma coincidência com UMA frase de um discurso de Goebbels… Não o citei e JAMAIS o faria", afirmou.
No final da mensagem, porém, o secretário elogia a ideia de Goebbels: "mas a frase em si é perfeita: heroísmo e aspirações do povo é o que queremos ver na Arte nacional".

Roberto Alvim é demitido

Antes de deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta sexta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro já havia sido informado sobre a repercussão negativa do vídeo em que Roberto Alvim, seu secretário nacional de Cultura, parafraseou Joseph Goebbels, ministro da Alemanha nazista. 

Em um primeiro momento, Bolsonaro optou pelo silêncio.

O presidente saiu da residência oficial por volta de 8h30 e evitou falar com os jornalistas que o aguardavam. "Obrigado, imprensa", disse após cumprimentar apoiadores e entrar no carro. 

Pela manhã, Bolsonaro recebeu diretamente, e por meio de seus auxiliares, queixas de integrantes da comunidade judaica brasileira, que são parte de sua base de apoio. 

Inicialmente, a ordem era de que o Planalto não comentaria o caso e que caberia a Alvim dar as explicações pelo vídeo divulgado. 

Bolsonaro e Alvim conversaram por telefone, e o presidente chegou a dizer ao secretário especial que ele permaneceria no posto. 

O agora ex-secretário passou então a dar uma série de entrevistas dizendo que não tinha a intenção de elogiar o regime nazista, responsável pela perseguição e assassinato de milhões de judeus. 

Com o aumento da pressão, horas depois, Bolsonaro foi obrigado a recuar.

Ao longo da manhã, deputados e senadores entraram em contato com o Palácio do Planalto cobrando a exoneração. 

Segundo relatos feitos à reportagem, líderes da comunidade judaica, cujo apoio ao governo é considerado estratégico pelo presidente, também pediram a Bolsonaro a demissão de Alvim. 
A intenção era tentar afastar a crise da Presidência e, em especial, não envolver o secretário de Comunicação Social, Fabio Wajngarten, fragilizado após reportagem da Folha de S.Paulo mostrar que ele recebe, por meio de uma empresa da qual é sócio, dinheiro de agências de publicidade e emissoras de TV contratadas pela própria Secom.
Além disso, houve uma preocupação com o fato de Wajngarten ser judeu e de que qualquer comunicação assinada por sua pasta pudesse transparecer que ele estivesse agindo em causa própria. 
Ainda pela manhã, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi às redes sociais pedir a saída de Alvim do cargo. 
"O secretário de Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo", escreveu. 
De uma reunião com o presidente, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, saiu com a missão de acalmar os líderes do Congresso. 
Ele mesmo ligou para Maia e para o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para avisá-los de que Bolsonaro havia decidido demitir Alvim. O comunicado seria publicado oficialmente pelo Palácio do Planalto nas horas seguintes. 
Coube a Ramos também tomar a dianteira do caso e telefonar para o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, para informar a decisão do presidente de demitir Alvim. 
Cultura é atualmente subordinada ao Turismo, pasta para onde foi transferida em novembro, após controvérsias do Ministério da Cidadania com o ex-secretário Henrique Pires, que deixou o cargo acusando o titular, Osmar Terra, de tentativa de censura.
As críticas a Alvim vieram até de aliados, como o escritor Olavo de Carvalho, e foram endossadas pelo comando da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e do STF (Supremo Tribunal Federal).
"É inadmissível termos representantes com esse tipo de pensamento. E, pior ainda: que se valha do cargo que ocupa para explicitar simpatia pela ideologia nazista e, absurdo dos absurdos, repita ideias do ministro da Informação de Adolf Hitler, que infligiu o maior flagelo à humanidade", escreveu Alcolumbre em redes sociais. 
O presidente do Senado é de origem judaica e base de apoio do governo Bolsonaro. Em relatos feitos à reportagem, integrantes da embaixada de Israel também manifestaram estarem perplexos com o vídeo publicado por um integrante do governo. 
Alvim estava em seu gabinete atendendo jornalistas quando foi informado, por telefone, de sua demissão. 
Ele interrompeu a agenda de compromissos e decidiu ir por conta própria ao Planalto, em uma tentativa de dar explicações ao presidente. 
O então secretário não foi recebido por Bolsonaro, que delegou a Ramos e ao chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a missão de informar a ele que sua permanência no governo era insustentável. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.