Ads Top

Twitter pode comprar o Tik Tok?

A novela da venda da rede social TikTok, controlada pela empresa chinesa ByteDance, continua ganhando novos personagens na trama. Desta vez, foi o Twitter que aparece como o mais novo interessado em se aliar à rede social queridinha dos mais novos – e avaliada em US$ 30 bilhões. 


A possibilidade de o negócio acontecer foi ventilada pelo jornal americano The Wall Street Journal e o Twitter não quis fazer nenhum tipo de comentário sobre o assunto – o que no jargão dos negócios, quer dizer que a empresa não nega a informação. 


Uma fusão com o TikTok poderia ajudar o Twitter a conseguir dar um salto que há tempos se espera. Apesar do crescimento do número de usuários, a empresa, fundada em 2006, segue sendo uma rede social que não conseguiu encontrar o caminho dos lucros recorrentes, como parte de suas concorrentes.


O Twitter conseguiu resultados positivos em 2018 e 2019, mas já vem registrando prejuízo em 2020. No primeiro semestre, a empresa registrou perdas de US$ 1,2 bilhão, ante lucro de US$ 1,3 bilhão no mesmo período do ano passado. 

A receita teve um recuo de 19%, muito por causa da diminuição dos gastos de publicidade pelas empresas, um dos efeitos da pandemia. 


“O Twitter ainda precisa encontrar um modelo de negócio lucrativo e o Tik Tok pode trazer este modelo”, diz Marcelo Nakagawa, professor de empreendedorismo da escola de negócios Insper. “O Twitter também passa a ter acesso a uma base de usuários muito mais jovem e ativa e, diminui sua dependência de usuários polêmicos, conteúdos agressivos e/ou impróprios e clima de guerra ideológica.”


O Twitter voltou a ter bastante relevância em 2016. Até então, vinha perdendo espaço para as redes sociais do Facebook, como a homônima e o Instagram. Suas ações chegaram a bater o valor mínimo de US$ 14. 


Mas um ponto garantiu um retorno para a rede social. O então candidato à presidência dos EUA, Donald Trump, mostrou o poder da rede social para discussões em série – e a rede foi um fator fundamental para que ele fosse eleito. Com isso, diversos políticos, jornalistas e especialistas voltaram a usar a rede com mais frequência.


Com isso, o Twitter passou a aumentar a aceleração de pessoas em sua base, o que acontece até hoje. Somente no primeiro semestre deste ano, a rede registrou 30% de alta de usuários.


Obviamente, com o aumento do discurso de ódio e notícias mentirosas, o Twitter passou a ser o centro das atenções, juntamente com o Facebook. Esse ano, inclusive, ambas redes sociais passaram a sofrer boicotes de grandes anunciantes, que afirmavam que elas não estavam levando o tema a sério. 


De olho nos influenciadores


Um dos pontos chave que tornam o TikTok tão atrativo é o poder que ele tem com influenciadores. Ao contrário de rivais como o Facebook e o YouTube, o TikTok não permite publicidade nativa (aquelas propagandas no início do vídeo), mas estimula que os influenciadores vendam produtos e patrocínios por meio de suas postagens.


O esquema de publicidade do TikTok também se assemelha ao streaming de jogos. No ambiente de esportes eletrônicos, os fãs de determinados jogadores de games como Counter Strike, League of Legends e FIFA podem, inclusive, presentear os seus ídolos com “gorjetas” durante a transmissão. Isso aumenta, e muito, o engajamento da plataforma.


Não por acaso, existem fenômenos nativos do próprio TikTok. A americana Addison Easterling fez coreografias que aprendeu na infância e virou um fenômeno. Resultado? Ganhou US$ 5 milhões no ano passado. 


E a compra do Twitter seria uma espécie de volta às origens. Isso porque a plataforma já tinha uma ferramenta de vídeos, chamada Vine. Assim como o TikTok, se baseava em vídeos curtos e “engraçadinhos” e chegou a fazer bastante sucesso. Mas, por não mostrar um caminho para a rentabilidade, foi encerrado em 2017 – e os órfãos do Vine foram, exatamente, o motor de crescimento do TikTok.


Para Nakagawa, o negócio entre as duas redes poderia ser comparada com a compra do YouTube pelo Google, 2006, por meros US$ 1,7 bilhão. 


“Naquele momento, poucos entenderam o movimento do Google que apostou na mídia baseada em vídeo, ultra segmentada e feita pelos próprios usuários”, diz o professor. E somente no ano passado, o Google revelou que o YouTube faturou US$ 15 bilhões em anúncios. Ou seja, quase cinco vezes o faturamento do Twitter no mesmo período.


Não por acaso, recentemente, a plataforma de streaming Netflix já colocou o TikTok como um grande concorrente da empresa em um futuro próximo.


“O crescimento do TikTok é espantoso, o que mostra a fluidez do entretenimento na Internet”, diz o comunicado.


Há dinheiro na mesa?


Como a companhia ainda usa caixa para financiar parte do aumento da operação, o poder de fogo também é bem menor se comparado a suas principais rivais pelo negócio. O Twitter tem caixa de US$ 7,8 bilhões para investimentos. No caso da Microsoft, que parece ser a mais próxima de um acordo, o valor chega a US$ 136 bilhões.


E já que o TikTok está sendo avaliado em cerca de US$ 30 bilhões, o Twitter teria que buscar outras formas de dinheiro para fechar um negócio (ou uma fusão, como também está sendo levantado).


O Twitter, aliás, está avaliado exatamente em US$ 30 bilhões na bolsa de Nova York. Bem atrás, de novo, de big techs, como a rival Microsoft, com valor de mercado de US$ 1,56 trilhão. A própria Microsoft pagou US$ 26,6 bilhões pela rede social corporativa LinkedIn em 2016 – logo, não seria a primeira grande investida da empresa fundada por Bill Gates por uma rede social. 


Gates, no entanto, se posicionou contrário a compra. Ele não tem mais nenhuma função executiva na empresa que fundou: é apenas conselheiro do atual CEO, Satya Nadella. Para ele, o TikTok é um ‘cálice envenenado’. 


"Quem sabe o que vai acontecer com esse negócio? É um cálice envenenado", disse o empreendedor ao ser questionado pela revista Wired.


O jogo ainda está aberto. Jornais chineses apontam que a ByteDance está relutante em vender o seu negócio, mesmo que seja só a operação americana (que é a maior e mais lucrativa). A novela, no entanto, já tem data limite: Trump deu até o dia 15 de setembro para que alguma empresa americana compre o TikTok. Pediu, inclusive, que uma parte da venda fosse destinada ao governo dos EUA.


Em 40 dias, todas essas tramas podem ser finalizadas. A conferir. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.