Ads Top

Por acordo de paz no Oriente Médio: Donald Trump e Jared Kushner anunciam que Emirados Árabes Unidos e Israel voltarão a ter laços diplomáticos


O presidente Donald Trump disse na quinta-feira que os Emirados Árabes Unidos e Israel concordaram em estabelecer laços diplomáticos completos como parte de um acordo para impedir a anexação de terras ocupadas procuradas pelos palestinos para seu futuro Estado.

Não é exatamente uma "surpresa de outubro", visto que estamos em agosto, mas certamente surpreende muita gente. Ser capaz de intermediar relações diplomáticas completas entre Israel e qualquer nação árabe, muito menos os Emirados Árabes Unidos, não é uma façanha pequena. Obviamente, a mão de Deus ainda está no presidente Trump e ainda o usa para avançar a linha do tempo da profecia final. A única coisa que esta nova coloca em questão é a anexação da Judéia e samaria,mas talvez o Senhor tenha outro caminho em mente.


"E eu os abençoarei que te abençoem, e o amaldiçoem que te amaldiçoem: e em você todas as famílias da terra serão abençoadas." Gênesis 12:3 (KJB)


Isso é muito em muitos níveis, e o fato de Que Donald Trump conseguiu isso vai dar certo para a eleição que está chegando. O presidente Trump precisa de mais algumas conquistas como esta, mas algo me diz que é exatamente o que ele planejou à medida que nos aproximamos de novembro. Nunca um momento maçante na linha de frente dos tempos finais!


Netanyahu tuitou uma bandeira israelense com uma pequena mensagem em hebraico: "Dia Histórico".

DO AP: O anúncio faz dos Emirados Árabes Unidos o primeiro estado árabe do Golfo a fazê-lo e apenas a terceira nação árabe a ter laços diplomáticos ativos com Israel. Trump tuitou uma declaração dos países, reconhecendo o acordo. Ele então disse a repórteres no Salão Oval que era "um momento verdadeiramente histórico".


"AGORA QUE O GELO FOI QUEBRADO, ESPERO QUE MAIS PAÍSES ÁRABES E MUÇULMANOS SIGAM OS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS", DISSE ELE.


O reconhecimento concede uma rara vitória diplomática a Trump antes da eleição de novembro, já que seus esforços para ver o fim da guerra no Afeganistão ainda não se concretizaram, enquanto os esforços para trazer a paz entre Israel e os palestinos não avançaram. Israel e os Emirados Árabes Unidos também estiveram entre os aliados estrangeiros mais próximos de Trump.


Para Israel,o anúncio vem após anos de alarde do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu de que seu governo goza de laços mais estreitos com as nações árabes do que reconhecidos publicamente. Netanyahu tem procurado construir assentamentos em terras procuradas pelos palestinos e adotado uma proposta de Trump que lhe permitiria anexar grande parte da Cisjordânia ocupada, ao mesmo tempo em que concede aos palestinos autonomia limitada em outras áreas.


Para os Emirados Árabes Unidos, lar de Dubai repleto de arranha-céus e das dunas de areia ricas em petróleo de Abu Dhabi, ela queima ainda mais sua campanha internacional para ser vista como um farol de tolerância no Oriente Médio, apesar de ser governada por governantes autocráticos. Também coloca os Emirados Árabes Unidos em primeiro lugar em uma corrida de reconhecimento regional entre os estados árabes vizinhos do Golfo.


E para os palestinos, que há muito dependem do apoio árabe em sua luta pela independência, o anúncio marcou tanto uma vitória quanto um revés. Embora o acordo de quinta-feira suspenda os planos de anexação israelenses, os palestinos têm repetidamente instado os governos árabes a não normalizar as relações com Israel até que um acordo de paz que estabeleça um Estado palestino independente seja alcançado.


"Israel foi recompensado por não declarar abertamente o que tem feito à Palestina ilegalmente e persistentemente desde o início da ocupação", escreveu o alto funcionário palestino Hanan Ashrawi no Twitter. Ela também disse que os Emirados Árabes Unidos apresentaram suas "relações secretas/normalização com Israel".


"Por favor, não nos faça um favor. Nós somos folha de figo de ninguém!", escreveu ela.


O grupo militante Hamas, que controla a Faixa de Gaza, chamou o acordo pelos Emiratis de "um esfaqueamento nas costas do nosso povo".


A declaração conjunta dos EUA, dos Emirados Árabes Unidos e de Israel disse que as delegações se reunirão nas próximas semanas para assinar acordos sobre voos diretos, segurança, telecomunicações, energia, turismo e cuidados de saúde. Os dois países também se associarão no combate à pandemia coronavírus.


"A abertura de laços diretos entre duas das sociedades mais dinâmicas do Oriente Médio e a economia avançada transformará a região estimulando o crescimento econômico, aumentando a inovação tecnológica e forjando relações mais próximas entre pessoas", disse a declaração de Trump, Netanyahu e do príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed bin Zayed Al Nahyan, o governante cotidiano dos Emirados Árabes Unidos. Dizia que os líderes tinham uma chamada de três vias discutindo o acordo.


O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, elogiou o acordo.

"Esta é uma conquista notável para dois dos estados mais avançados e tecnologicamente avançados do mundo e reflete sua visão regional compartilhada de uma região economicamente integrada", disse ele em comunicado. "Também ilustra seu compromisso em enfrentar ameaças comuns, como pequenas - mas fortes - nações."


Ele acrescentou: "Bem-aventurados os pacificadores. Mabruk e Mazal Tov."


Netanyahu tuitou uma bandeira israelense com uma pequena mensagem em hebraico: "Dia Histórico".


Entre as nações árabes, apenas o Egito e a Jordânia têm laços diplomáticos ativos com Israel. O Egito fez um acordo de paz com Israel em 1979, seguido pela Jordânia em 1994. A Mauritânia reconheceu Israel em 1999, mas depois terminou as relações em 2009 sobre a guerra de Israel em Gaza na época.


Além de Trump,os principais mediadores dos EUA para o acordo foram o conselheiro sênior e genro do presidente Jared Kushner, o enviado especial do Oriente Médio Avi Berkowitz e David Friedman, embaixador dos EUA em Israel. LEIA MAIS


Presidente Donald Trump anuncia acordo histórico de paz entre Israel, Emirados Árabes Unidos

Espera-se que o presidente Trump anuncie um acordo de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos.

Avi Berkowitz, Jared Kushner, Netanyahu, Trump e CIA, preparam o grande engano para Israel: 


A hora do engano final de Jared Corey Kushner está chegando:

Temos que nos preparar!

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.