Ads Top

Netanyahu assume governo provisório junto de Benny Gantz, e promete anexar Judéia a Samaria; Rei Abdullah II da Jordânia não concorda com isto

O 35º governo de Israel, com Benjamin Netanyahu como líder, foi empossado no Knesset no domingo, prometendo que a anexação da Judéia e de Samaria é uma prioridade máxima.

Nos últimos 508 dias,testemunhamos uma montanha-russa absoluta de reviravoltas inexplicáveis e inacreditáveis no processo eleitoral em Israel, mas tudo isso chegou ao fim oficialmente e finalmente hoje, quando Benjamin Netanyahu foi empossado como primeiro-ministro para seu quinto mandato. Dissemos o tempo todo que ele seria o líder e pelos próximos 18 meses ele será. É meu sentimento pessoal e opinião que a Igreja será arrebatada antes desses 18 meses,mas veremos como vai ser. Legalmente, Benjamin Netanyahu pode começar a anexação da Judéia e samaria a qualquer momento após 1 de julho de 2020. Quanto mais cedo melhor, se você me perguntar.
"Seja conhecido pelo rei, que fomos para a província da Judéia,para a casa do grande Deus,que é construída com grandes pedras, e a madeira é colocada nas paredes, e este trabalho goeth rápido ,prospereth em suas mãos." Ezra 5:8 (KJB)
Por um lado,estamos olhando para absolutamente o último mandato de Benjamin Netanyahu, e por outro vemos a emocionante e profética recuperação da Judéia e de Samaria. Jesus em Mateus 24 nos mostra não apenas o Templo reconstruído em que Anticristo se sentará, mas também o fato de que, quando o fizer, os judeus que viverão na Judéia fugirão para Selah Petra para fugir dele. O fato de estarmos tão perto desses eventos, e de fato estarmos vendo eles acontecerem, significa que estamos mesmo perto do Arrebatamento de Pretribulation da Igreja que está acontecendo. Isso é o que eu vejo o que eu vejo benjamin Netanyahu sendo empossado no cargo hoje.

Coalizão aprovada 73-46; Benny Gantz, do Azul e Branco, torna-se 'pm alternativo'; Netanyahu diz que entregará o poder em 17 de novembro de 2021, prometendo "rapidamente" avançar na anexação

DOS TEMPOS DE ISRAEL: O Knesset votou 73-46 a favor do novo governo. O líder do Likud, Benjamin Netanyahu, foi empossado como primeiro-ministro e liderará o governo pelo quinto mandato de sua carreira política.
O presidente do Azul e Branco, Benny Gantz, foi empossado como "primeiro-ministro alternativo e futuro primeiro-ministro", bem como ministro da Defesa. Netanyahu prometeu do palanque entregar o primeiro-ministro a Gantz em 17 de novembro de 2021.
"ESTABELECEMOS OS TERMOS PRECISOS SOB OS QUAIS NOSSO ACORDO SERÁ CUMPRIDO E NÃO SERÁ CUMPRIDO", DISSE NETANYAHU MAIS TARDE EM UMA ENTREVISTA AO CANAL 12, EM MEIO AO CETICISMO GENERALIZADO DE QUE HONRARÁ O ACORDO. "EU VOU CUMPRIR EXATAMENTE, MAS EXATAMENTE, O QUE ESTÁ ESCRITO NO ACORDO. É MINHA INTENÇÃO E MEU OBJETIVO FAZÊ-LO. E NÃO HÁ RAZÃO PARA EU DIZER NADA A VOCÊ, MAS, SIM, É ISSO QUE VAMOS FAZER.
Além de Netanyahu e Gantz, 32 ministros foram empossados, incluindo o primeiro ministro ultra-ortodoxo, Omer Yankelevich (assuntos da diáspora), e o primeiro ministro nascido na Etiópia, Pnina Tamano-Shata (imigração e absorção), na história de Israel. Uma 35ª vaga, para um ministro para assuntos minoritários, ainda não foi preenchida pelo Azul e Branco.
Totalizando 73 legisladores,a coalizão incluirá 35 Deputados do partido Likud, 16 do partido Azul e Branco, nove do partido Shas, sete do partido Judaísmo da Torá Unida, dois do Partido Trabalhista, dois do partido Derech Eretz, um do partido Casa Judaica e um do partido Gesher.
netanyahu-gantz-form-historic-unity-government-israel-will-annex-judea-samaria-west-bank-july-2020-18-months-end-times-tribulation-jacobs-trouble
18 MESES: NETANYAHU E GANTZ FORMARÃO GOVERNO DE UNIDADE HISTÓRICA EM ISRAEL, e estarão prontos para anexar a Judéia e SAMARIA a partir de julho de 2020

A lista de ministros é a seguinte:

1. Primeiro-Ministro: Benjamin

Netanyahu (Likud) 2. Primeiro-ministro suplente e ministro da Defesa:

Benny Gantz (Azul e Branco) 3. Ministro das Relações Exteriores: Gabi

Ashkenazi (Azul e Branco) 4. Ministro da Justiça: Avi Nissenkorn

(Azul e Branco) 5. Ministro do Ministério da Defesa responsável pelos assuntos civis:

Michael Biton (Azul e Branco) 6. Ministro da Cultura e Do Esporte:

Chili Tropper (Azul e Branco) 7. Ministro dos Assuntos Estratégicos: Ori Farkash (Azul e Branco)

8. Ministro da Igualdade: Merav Cohen

(Azul e Branco) 9. Ministro do Turismo: Assaf Zamir

(Azul e Branco) 10. Ministro da Ciência e Tecnologia: Yizhar

Shai (Azul e Branco) 11. Ministro dos Assuntos da Diáspora: Omer Yankelevich (Azul e Branco)

12. Ministro da Imigração e Absorção: Pnina Tamano-Shata (Azul e Branco)

13. Ministro da Agricultura: Alon Shuster

(Azul e Branco) 14. Ministro da Economia: Amir

Peretz (Trabalho 15. Ministro da Previdência Social: Itzik

Shmuli (Trabalho 16). Ministro das Comunicações: Yoaz

Hendel (Likud) 17. Ministro das Finanças:

Israel Katz (Likud) 18. Ministro da Saúde: Yuli Edelstein (Likud)

19. Ministro dos Transportes: Miri

Regev (Likud) 20. Ministro da Segurança Pública: Amir

Ohana (Likud) 21. Ministro da Energia: Yuval Steinitz (Likud)

22. Ministro do Ensino Superior e recursos hídricos:

Ze'ev Elkin (Likud) 23. Ministro da Educação: Yoav

Gallant (Likud) 24. Ministro da Cooperação Regional: Gilad Erdan (Likud, a ser substituído pelo Likud MK Ofir

Akunis quando Erdan for confirmado como embaixador na ONU) 25. Ministro da Inteligência: Eli

Cohen (Likud) 26. Ministro dos Assentamentos: Tzipi Hotovely (Likud)

27. Ministro responsável pela ligação entre o governo e o Knesset: David Amsalem (Likud)

28. Ministro da Proteção Ambiental: Gila

Gamliel (Likud) 29. Ministro no Gabinete do Primeiro-Ministro: Tzachi Hanegbi (Likud)

30. Ministro dos Assuntos de Jerusalém: Rafi

Peretz (Casa Judaica) 31. Ministro do Fortalecimento e Avanço da Comunidade: Orly Levy-Abekasis (Gesher)

32. Ministro do Interior e Ministro do Desenvolvimento de Negev

e Galil: Aryeh Deri (Shas) 33. Ministro dos Assuntos Religiosos: Yaakov

Avitan (Shas) 34. Ministro da Habitação: Yaakov Litzman (Judaísmo da Torá Unida)

35. Ministro dos Assuntos minoritários: Ainda não nomeado (Azul e Branco)
Falando na primeira reunião do gabinete, que ocorreu no Salão Chagall do Knesset imediatamente após a cerimônia de posse, Netanyahu disse aos novos ministros que a pandemia lidera a agenda do governo.
"A primeira missão é a crise do coronavírus e da saúde", disse ele. "Enquanto o vírus estiver aqui e não houver vacina, ele pode voltar da noite para o dia. O fato de termos conseguido evitar que isso [se espalhe amplamente] não significa que podemos evitar" outra onda, disse Netanyahu, enfatizando que a "rotina do coronavírus" vai durar muito tempo. "Não quero dizer por quanto tempo", disse ele, mas acrescentou que esperava ser provado errado.
A segunda missão, continuou ele, seria aprovar um orçamento estatal e reanimar a economia, que ele reconheceu que pode não ser rapidamente restaurada ao seu estado pré-coronavírus. O terceiro item seria combater o Irã, disse ele.
O quarto estava lutando contra a investigação de crimes de guerra no Tribunal Penal Internacional. "Este é um desenvolvimento preocupante... Esta é uma ameaça estratégica" para Israel e para o IDF, disse ele, acrescentando que raramente usava essa linguagem.
A quinta foi a questão diplomática da anexação da Cisjordânia. "Não escondo minha intenção de trazê-lo rapidamente para o gabinete", disse ele. Netanyahu afirmou que o novo governo desafiará as previsões e durará mais do que o esperado.

Israel jura em novo governo como Netanyahu promete anexação empurrar Judéia a Samaria

O Parlamento de Israel empossa um novo governo liderado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seu antigo rival Benny Gantz, encerrando a mais longa crise política da história do país. O novo governo estava pronto para enfrentar sérias crises em suas primeiras semanas, incluindo a devastação econômica causada pelo coronavírus e uma batalha iminente sobre a possível anexação de Israel de grandes partes da Cisjordânia ocupada. Dirigindo-se ao Parlamento antes da votação, Netanyahu disse que seu governo deve aplicar a soberania israelense sobre os assentamentos judeus, que são ilegais sob o direito internacional.

aciço" com seu país, e não descartou a retirada do acordo de paz de Amã com o Estado judeu.

Ao ler esta história que sai de Israel hoje, quero que você saiba da subtrama bíblica que ferve logo abaixo da superfície. O rei Abdullah II é o rei da nação da Jordânia, o mesmo país onde se localiza Selah Petra. Ouvintes regulares de nossos programas semanais de estudo bíblico sabem que Selah Petra é o lugar para onde os judeus fogem por segurança no início da grande tribulação em Mateus 24. A Judéia é o principal local onde os judeus estão quando este evento acontece. Israel agora quer anexar a Judéia e Samaria, também conhecida como Cisjordânia e Faixa de Gaza, e o rei Abdullah quer detê-la.
Ufa! Tem tudo isso? Agora você vê por que dizemos que sua Bíblia do Rei James está mais atualizada do que as manchetes de amanhã?
"A palavra que veio a Jeremias do SENHOR, dizendo: Assim fala o SENHOR Deus de Israel, dizendo: Escreva-te todas as palavras que eu te falei em um livro. Pois, eis que os dias virão, diz o SENHOR, que trarei novamente o cativeiro do meu povo Israel e Judá, diz o SENHOR: e farei com que eles retornem à terra que dei aos seus pais, e eles a possuirão. E estas são as palavras que o SENHOR falou sobre Israel e sobre Judá. Pois, assim, diz o SENHOR; Ouvimos uma voz de tremor, de medo, e não de paz. Infelizmente! para esse dia é grande, de modo que ninguém é como ele: é mesmo o tempo do problema de Jacó; mas ele deve ser salvo fora dele. Jeremias 30:1-5,7 (KJB)
DE TEMPOS DE ISRAEL: Em uma entrevista publicada na sexta-feira pelo jornal alemão Der Spiegel, Abdullah insistiu que uma solução de dois Estados era "o único caminho a seguir" no conflito israelo-palestino. "O que aconteceria se a Autoridade Nacional Palestina entrasse em colapso? Haveria mais caos e extremismo na região. Se Israel realmente anexasse a Cisjordânia em julho, isso levaria a um conflito maciço com o Reino Hashemite da Jordânia", disse ele, quando perguntado por seu entrevistador sobre a intenção do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de "aproveitar a oportunidade que o presidente dos EUA, Donald Trump, criou para tomar grande parte da Palestina".
Rei da Jordânia alerta para 'conflito maciço' se Israel anexar terras na Cisjordânia

"NÃO QUERO FAZER AMEAÇAS E CRIAR UMA ATMOSFERA DE MADEIREIROS, MAS ESTAMOS CONSIDERANDO TODAS AS OPÇÕES. CONCORDAMOS COM MUITOS PAÍSES DA EUROPA E DA COMUNIDADE INTERNACIONAL DE QUE A LEI DA FORÇA NÃO DEVE SER APLICADA NO ORIENTE MÉDIO", ACRESCENTOU O REI, QUANDO PERGUNTADO SE SEU PAÍS - UMA DAS DUAS ÚNICAS NAÇÕES ÁRABES, JUNTAMENTE COM O EGITO, TERIA ASSINADO UM ACORDO DE PAZ COM ISRAEL - PODERIA SUSPENDER ESSE TRATADO.
A Jordânia tem uma grande população palestina e está profundamente investida na promoção de uma solução de dois Estados. "Os líderes que defendem uma solução de um Estado não entendem o que isso significaria", disse ele ao diário alemão.
Os comentários do rei ecoaram observações que ele fez em uma entrevista de setembro de 2019, alertando que uma anexação da Cisjordânia teria "um grande impacto na relação israelo-jordaniana". Na época, ele parou de ameaçar cortar laços diplomáticos.
Mais recentemente, o ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi, teria instado seus homólogos em vários países a dissuadir Jerusalém de seus planos de anexação. Implementá-los seria "devastador", marcaria a morte de uma solução de dois Estados, e poderia ter consequências explosivas para a região, ele teria alertado seus interlocutores. Mas, novamente, nenhuma palavra sobre o fim do acordo de paz.
A entrevista de sexta-feira foi publicada horas antes de os ministros das Relações Exteriores da União Europeia se reunirem virtualmente para considerar possíveis medidas contra Israel sobre seu plano de anexar partes da Cisjordânia. A Jordânia tem pressionado a UE a tomar "medidas práticas" para garantir que a anexação não aconteça. Em um comunicado, Safadi "ressaltou a necessidade de a comunidade internacional e a União Europeia, em particular, tomarem medidas práticas que reflitam a rejeição de qualquer decisão israelense de anexar".
Várias nações europeias lideradas pela França- incluindo Irlanda, Suécia, Bélgica, Espanha e Luxemburgo, já manifestaram apoio a ameaças de ação punitiva em uma tentativa de impedir que o novo governo israelense - previsto para ser empossado no domingo - realizasse a mudança com luz verde de Washington.
Na terça-feira, o chefe de política externa da UE, Josep Borrell, disse que os planos de anexação e a resposta da União a eles seriam "o item mais importante da agenda" da reunião.

Tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.