Ads Top



Jerusalém e Washington devem coordenar sua decisão sobre onde e quando Israel estenderá suas leis na Cisjordânia na próxima semana, disse uma fonte com conhecimento das conversações entre os lados ao The Jerusalem Post na quarta-feira.1 de julho, o primeiro dia em que o acordo de coalizão permitiu ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu levar a soberania a uma votação, aprovada sem qualquer progresso nessa frente. , como era esperado.

"Netanyahu continua em negociações com os americanos e teve uma discussão hoje com o chefe do Conselho de Segurança Nacional e chefes de segurança no quadro de uma série de discussões sobre o assunto. Mais discussões ocorrerão nos próximos dias", dizia um comunicado do Gabinete do Primeiro-Ministro. O enviado especial dos EUA para negociações internacionais Avi Berkowitz e Scott Leith do Conselho de Segurança Nacional da ONU voltaram a Washington após reuniões com Netanyahu, o primeiro-ministro alternativo Benny Gantz e a ministra das Relações Exteriores Gabi Ashkenazi.Berkowitz deverá trazer suas descobertas da viagem a Jared Kushner, conselheiro sênior do presidente dos EUA Donald Trump, que então pesará e apresentará a situação ao presidente. 

Trump, que não esteve diretamente envolvido em assuntos de paz no Oriente Médio nos últimos meses, espera-se então tomar sua decisão final sobre o assunto, o que provavelmente acontecerá na próxima semana. Da mesma forma, o ministro da Cooperação Regional Ofir Akunis disse que Israel anexará partes da Cisjordânia em julho, mas somente depois que o presidente tiver feito uma declaração sobre o assunto.

A aplicação israelense da soberania "só acontecerá após uma declaração de Trump", disse Akunis à Rádio do Exército, enfatizando que esta seria uma nova, que seria emitida dos EUA. 

Tal declaração de Trump foi inicialmente agendada para o final da semana passada, mas foi então adiada, e Israel está esperando que ela seja remarcada antes de tomar qualquer ação, disse Akunis. A conselheira sênior de Trump, Kellyanne Conway, falou de um anúncio sobre a anexação israelense na semana passada que nunca aconteceu. Quanto ao que Trump provavelmente anunciará, Axios relatou que azedou o conselho de Kusnher, porque seu genro e conselheiro tem sido muito liberal e o machucou politicamente. O site citou uma fonte dizendo que o presidente não quer "mais nada do acordado de Jared s***", acordado sendo uma gíria para progressista ou politicamente correto. Acredita-se que Kushner favoreça um movimento de soberania mais gradual de Israel. 

O artigo se concentrou principalmente na reforma da justiça criminal, mas permitir que Israel amplie sua soberania é fortemente oposto pela esquerda mundial, que é uma maneira pela qual poderia apelar para trump.

As declarações de Gantz de que o governo só deve trabalhar em coisas que têm a ver com coronavírus e a crise econômica relacionada neste momento não é um disjuntor para os EUA, disse uma fonte americana, embora eles acreditem que isso daria ao movimento maior longevidade e apoio dos EUA quando Trump não é mais presidente. 

O acordo de coalizão permite que Netanyahu traga soberania para um gabinete ou voto do Knesset – ou um deles é suficiente para estender a lei israelense ao território que fazia parte do mandato britânico para a Palestina – sem a aprovação de Gantz. Ainda não estava claro na quarta-feira se Netanyahu tentaria aplicar a soberania aos 30% da Cisjordânia estipulados no plano de paz de Trump – incluindo todos os assentamentos e o Vale do Jordão – ou a uma parte menor dela. Gantz tentou limitar a mudança para os principais blocos de assentamento, mas Netanyahu enfatizou a soberania sobre Bet El e Shiloh, ambas cidades bíblicas que não estão nos blocos, em um discurso aos cristãos Unidos por Israel esta semana. Akunis afastou os relatos de que o Vale do Jordão não seria incluído em um plano de soberania israelense. 


Ele observou que há muito tempo foi planejado fazer parte das fronteiras soberanas de Israel que remontam ao plano Allon, apresentado em 1967 imediatamente após a Guerra dos Seis Dias por Yigal Allon, um general do IDF e líder do Partido Trabalhista, que mais tarde serviu como primeiro-ministro interino." É claro que tem que estar no [plano de soberania]", disse Akunis. Mas muitas das conversas entre os lados americano e israelense não foram sobre soberania, mas se concentraram no status dos palestinos. 


Os EUA encorajaram Israel a dar à Autoridade Palestina maior controle sobre partes palestinas da Área C que não fariam parte de Israel sob o plano Trump, embora o FDI ainda fosse capaz de proteger essas áreas. Entre as ideias discutidas estava não exigir a aprovação do IDF para a construção palestina. Ashkenazi disse a Berkowitz que quer que Israel faça mais esforços para negociar e coordenar com os palestinos, além de conversar com a Jordânia, o Egito e os Estados do Golfo.Também na quarta-feira, a Austrália expressou suas preocupações pela primeira vez sobre a possibilidade de que Israel possa estender sua soberania a partes da Cisjordânia, em uma declaração da ministra das Relações Exteriores Marise Payne." Estamos acompanhando com preocupação possíveis movimentos para a anexação unilateral ou mudança no status do território na Cisjordânia", afirmou Payne. 


"O foco precisa estar em um retorno às negociações diretas e genuínas entre Israel e os palestinos para um acordo de paz durável e resiliente, o mais rápido possível." Payne disse que expressou diretamente essa opinião a Ashkenazi, seu homólogo israelense. Esta foi a primeira declaração pública sobre o assunto do governo australiano, que apoia muito Israel, embora ex-funcionários e o Partido Trabalhista Australiano condenaram possíveis movimentos de soberania nos últimos dias. O primeiro-ministro britânico Boris Johnson fez um apelo ao governo israelense para não anexar partes da Cisjordânia e, em vez disso, retornar à mesa de negociações." Há outra maneira", escreveu Johnson em Yediot Aharonot, pressionando pela renovação das negociações de paz entre palestinos e israelenses." 


Embora eu entenda a frustração sentida por ambos os lados, é nosso dever aproveitar a energia deste momento para voltar outro tempo à mesa de negociações e lutar por uma solução. Isso exigirá compromissos de ambos os lados", disse Johnson." Ainda acredito que a única maneira de alcançar a verdadeira e duradoura segurança para Israel, a pátria do povo judeu, é através de uma solução que permita justiça e segurança tanto para israelenses quanto para palestinos", escreveu o primeiro-ministro britânico. "A única maneira de conseguir isso é que ambos os lados retornem à mesa de negociações. Esse deve ser nosso objetivo. A anexação só nos distanciará dela." O senador Bernie Sanders juntou-se a uma carta anti-anexação liderada pela representante Alexandria Ocasio Cortez, ameaçando cortar a assistência dos EUA a Israel caso ela avançasse com seu plano de anexar partes da Cisjordânia. 


Sanders é o único senador a assinar a carta, ao lado de 12 democratas da Câmara, incluindo Rashida Tlaib, Betty McCollum, Pramila Jayapal e Ilhan Omar." A anexação de Israel ao território ocupado seria um desastre para o direito internacional, a autodeterminação, a liberdade e a igualdade", tuitou Sanders na terça-feira. "Estou com Alexandria Ocasio Cortez e progressistas da Casa. Não podemos permitir que os dólares de impostos dos EUA sejam usados para violar os direitos humanos dos palestinos." A carta que foi enviada na terça-feira ao secretário de Estado Mike Pompeo, exorta o governo Trump a não dar luz verde à medida, alertando que "estabeleceria as bases para Israel se tornar um estado de apartheid". O ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drain, reiterou a posição de seu país de que "uma decisão de anexação não poderia ser deixada sem consequências e estamos examinando diferentes opções a nível nacional e também em coordenação com nossos principais parceiros europeus". A Equipe dos Correios de Jerusalém e a Reuters contribuíram para este relatório.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.