Ads Top

Atriz Catherine Deneuve e outras mulheres pelo mundo criticam movimento feminista contra assédio sexual em Hollywood; As feministas de hoje pregam um novo puritanismo que elas não vivem!




A atriz Catherine Deneuve se uniu a outras mulheres francesas para publicar uma carta aberta em que dizem que os homens deveriam ser “livres para flertar”, e alertam para o que chamam de “puritanismo”, diante das recentes denúncias de assédio sexual em Hollywood.
O manifesto foi publicado no jornal francês Le Monde e lamenta a onda de “repreensões públicas” que vieram à tona após o escândalo envolvendo o produtor americano Harvey Weinstein.
A sua publicação veio dois dias após a cerimônia do Globo de Ouro, em que diversas atrizes usaram vestidos pretos em protesto aos casos de assédio sexual.
“Na sequência do caso de Weinstein, houve uma consciência legítima da violência sexual contra as mulheres, particularmente no local de trabalho onde alguns homens abusam do seu poder. Ela era necessária. Mas essa libertação do discurso torna hoje o seu oposto: somos intimadas a falar corretamente, silenciar o que incomoda e aquelas que se recusam a cumprir tais injunções são consideradas traidoras, cúmplices”, começa a carta.
“O estupro é um crime. Mas a paquera insistente ou desajeitada não é, da mesma forma que o galanteio não é uma agressão machista. Hoje, nós somos suficientemente conscientes para admitir que a pulsão sexual é, por natureza, ofensiva e selvagem, mas também somos suficientemente perspicazes para não confundirmos um flerte desajeitado com uma agressão sexual”, continua o texto assinado por artistas e acadêmicas francesas, incluindo a escritora Catherine Millet e a cineasta Brigitte Sy.
“Essa febre de enviar os ‘porcos’ ao abatedouro, longe de contribuir à autonomia das mulheres, serve na realidade aos interesses dos inimigos da liberdade sexual, dos extremistas religiosos, dos piores reacionários e daqueles que estimam que as mulheres são seres à parte, crianças com aparência de adultos, precisando ser protegidas” afirma o texto, que critica a “campanha de delações”.
“Os homens têm sido punidos sumariamente, forçados a sair de seus empregos, quando tudo o que eles fizeram foi tocar o joelho de alguém ou tentar roubar um beijo. […] Como mulheres, não nos reconhecemos neste feminismo que, além de denunciar o abuso de poder, incentiva um ódio aos homens e à sexualidade”, são outros trechos da carta.

"Estupro é crime, mas tentar seduzir alguém, mesmo de forma insistente ou desajeitada, não é - Tampouco o cavalheirismo é uma agressão machista."
As autoras argumentam que há um novo "puritanismo" no mundo.
Elas afirmam que, embora fosse legítimo e necessário protestar contra o abuso de poder por parte de alguns homens, as constantes denúncias perderam o controle.
Segundo elas, a onda de acusações induz à percepção de que as mulheres são impotentes e eternas vítimas.
"Como mulheres, não nos reconhecemos neste feminismo que, além de denunciar o abuso de poder, incentiva um ódio aos homens e à sexualidade."
Antes da carta, Catherine Deneuve já havia se posicionado publicamente contra as campanhas realizadas nas redes sociais para denunciar casos de assédio. Segundo ela, as iniciativas envergonham os homens acusados.


No Brasil, Ex modelo. E atualmente escrito Danuza Leão escreveu para o O GLOBO, o seguinte: 

"O que não está claro para mim é o conceito de assédio. É uma paquera? Avanços sexuais entre homens e mulheres começam sempre de um lado. Às vezes, o outro lado não quer, e isso é normal. Como definir?
Espero que essa moda de denúncia contra assédio sexual não chegue ao Brasil. O que aconteceu no Globo de Ouro me pareceu um grande funeral. Apesar dos vestidos lindíssimos, acho que aquelas mulheres (que foram à cerimônia de preto) foram muito pouco paqueradas e voltaram sozinhas para casa.
Não acho que as denúncias de assédio possam gerar uma ‘caça às bruxas’ porque são uma coisa ridícula, para começo de história. É doloroso saber que uma mulher pode fazer uma acusação e tirar o emprego de um homem. É algo pecaminoso. Mas isso é coisa de americano. Lá eles não têm noção de sexo. É ótimo passar em frente a uma obra e receber um elogio. Sou desse tempo. Acho que toda mulher deveria ser assediada pelo menos três vezes por semana para ser feliz. Viva os homens."



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.