Ads Top

Rei Abdullah da Jordânia vai na Casa Branca para discutir com Biden, sobre a solução de dois Estados para a Palestina

 


A Jordânia quer acabar com as conversações sobre transformar o reino em um Estado palestino e, em vez disso, ser o centro dos desenvolvimentos regionais. A reunião do rei Abdullah com o presidente dos EUA Joe Biden pode abrir caminho.


Partidários do rei da Jordânia Abdullah II se reúnem antes de sua reunião com o presidente dos EUA Joe Biden em Washington


A Jordânia espera que a reunião do rei Abdullah com o presidente dos EUA Joe Biden abra o caminho para que o reino volte ao centro dos desenvolvimentos regionais, particularmente o conflito israelo-árabe.
A Jordânia também espera que a reunião ponha fim à conversa sobre a transformação do reino emum Estado palestino.
A reunião vem após anos de tensão entre Amã e Washington sob a administração do ex-presidente dos EUA Donald Trump.
A tensão atingiu seu auge no início do ano passado, quando a Jordânia rejeitou o plano de "Paz à Prosperidade" de Jared Kushner e Donald Trump para resolver o conflito israelo-palestino.
A Jordânia disse que não foi consultada sobre o plano, que, segundo alegou, endossou os planos do ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de estender a soberania israelense a partes da Cisjordânia.

De acordo com os jordanianos, um dos objetivos do plano Trump era promover o esquema "Jordan is Palestine", há muito promovido por um pequeno grupo de ativistas de extrema-direita em Israel.

É por isso que os jordanianos respiraram aliviados quando o governo Biden no início deste ano endossou a solução de dois Estados. No que diz respeito aos jordanianos, o renascimento da solução de dois Estados significa que o projeto Trump e o plano de anexação de Netanyahu estão agora fora de questão.

Sob o governo Trump, a Jordânia sentia-se cada vez mais afastada pelos EUA e Israel.

Os jordanianos estavam convencidos de que Trump e Netanyahu estavam conspirando para minar o reino de muitas maneiras, incluindo privar a família real da Jordânia de seu papel na cuidado de locais sagrados muçulmanos e cristãos em Jerusalém.

Relatos não confirmados de que o governo Netanyahu e o governo Trump ofereceram à Arábia Saudita a oportunidade de substituir a Jordânia como guardião do Haram al-Sharif (Santuário Nobre) em Jerusalém teria enfurecido o monarca jordaniano.

Na véspera da visita de Abdullah a Washington, a Câmara dos Representantes da Jordânia, a câmara baixa eleita do parlamento jordaniano, inaugurou uma conferência intitulada "Os Hashemitas e Jerusalém: Uma História de Cuidado e Proteção".

A conferência tinha como objetivo enviar uma mensagem ao governo Biden de que a custódia hashemita dos locais sagrados islâmicos e cristãos de Jerusalém é inegociável.

Em um discurso durante a inauguração do novo parlamento jordaniano no final do ano passado, Abdullah enfatizou que "a custódia hashemita dos locais sagrados islâmicos e cristãos de Jerusalém é um dever, um compromisso, uma crença firme e uma responsabilidade que assumimos profundamente por mais de cem anos... Jerusalém é um símbolo de paz, e não aceitaremos nenhuma tentativa de alterar seu status quo histórico e legal, nem tentativas de divisão temporal ou espacial da Mesquita de Al-Aqsa/Haram al-Sharif."

Como parte do esforço do reino para afirmar sua custódia sobre os locais sagrados islâmicos e cristãos em Jerusalém, tornou-se nos últimos anos um crítico vocal das ações israelenses em Jerusalém, especialmente no que diz respeito ao complexo da Mesquita de Aqsa no Monte do Templo.

Quase uma semana se passa sem que o governo jordaniano emitindo uma declaração condenando Israel por permitir que "colonos" "invadissem" o complexo da Mesquita de Aqsa, referindo-se às visitas rotineiras dos judeus ao Monte do Templo.

As condenações recorrentes são projetadas para apresentar a Jordânia como o principal "defensor" dos santuários sagrados em Jerusalém, incluindo a Mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado do Islã. Esta é uma mensagem que Abdullah deseja direcionar não só para árabes e muçulmanos, mas para o resto da comunidade internacional, especificamente para a administração Biden.

Durante sua reunião com Biden, espera-se que Abdullah levante a questão das "violações" israelenses no Monte do Templo em particular e em Jerusalém em geral, de acordo com fontes jordanianas. Espera-se que ele alerte que as ações de Israel podem desencadear uma guerra religiosa e ameaçar a segurança e a estabilidade no Oriente Médio, disseram as fontes.

A postura de Abdullah é totalmente apoiada pela Autoridade Palestina e outros árabes e muçulmanos. Em 2013, o presidente da AF Mahmoud Abbas e Abdullah assinaram um acordo reconhecendo a custódia hashemita dos locais sagrados de Jerusalém.

Antes de ir para os EUA, Abdullah se reuniu em Amã com Abbas, e eles reafirmaram o acordo. Durante a reunião, Abdullah ressaltou o papel contínuo da Jordânia na proteção de locais sagrados islâmicos e cristãos. Abbas, por sua vez, reiterou a importância da tutela contínua de Jordan sobre os locais.

Abdullah também está programado para exortar o governo Biden a fazer um esforço para reviver o processo de paz israelo-palestino com base na solução de dois Estados, com a esperança de que isso conduza o prego final no caixão do plano de paz de Trump e enterre a opção "Jordan is Palestine".

A aproximação entre a Jordânia e os EUA também servirá para reforçar a postura de Abdullah em casa, especialmente após a suposta tentativa de golpe de Estado por seu meio-irmão, o príncipe Hamzah bin Hussein.

A reaproximação envia uma mensagem aos críticos do rei em casa que ele continua a desfrutar do apoio total dos EUA.

Esta mensagem também é direcionada para o novo governo em Israel, ou seja, que precisa melhorar suas relações com a Jordânia. Essa melhoria significa, entre outras coisas, abster-se de alterar o status quo no Monte do Templo.


COMO FOI A REUNIÃO DO REI ABDULLAH COM BIDEN


O presidente dos EUA Joe Biden recebeu o rei da Jordânia Abdullah na Casa Branca na segunda-feira. É a primeira de três reuniões cara a cara com líderes do Oriente Médio esperadas para este verão.

Abdullah, que enfrentou um desafio à sua autoridade em abril de seu meio-irmão, o príncipe Hamzah, realizou suas primeiras conversas no Salão Oval com Biden desde que assumiu o poder em janeiro.

Ele também terá um café da manhã de trabalho com a vice-presidente Kamala Harris na terça-feira na Residência do Vice-Presidente, seguido de uma reunião com o Secretário de Estado Antony Blinken no Departamento de Estado.

Abdullah é o primeiro líder do Oriente Médio a visitar a Casa Branca biden, e será seguido em 26 de julho pelo primeiro-ministro iraquiano Mustafa al-Kadhimi. Autoridades dos EUA e israelenses estão atualmente trabalhando na agenda de uma reunião entre Biden e a nova primeira-ministra Naftali Bennett.

Um alto funcionário do governo Biden disse que as conversas do presidente com o rei devem incluir o caminho a seguir para Israel e os palestinos, com Bennett tendo recentemente substituído Benjamin Netanyahu como primeiro-ministro israelense.

As tensões continuam altas após a guerra de 11 dias em maio entre Israel e o Hamas e outros terroristas de Gaza.

Abdullah está em seu próprio país pode aparecer nas negociações. A imagem da Jordânia como uma ilha de estabilidade no turbulento Oriente Médio foi questionada depois que o príncipe Hamzah foi acusado de um complô para desestabilizar o país em abril.

Biden ofereceu total apoio a Abdullah, que foi acompanhado na Casa Branca por sua esposa, a rainha Rania.

"Temos grande confiança na liderança do rei, e acho que a visita ao longo dos próximos dias apenas reafirmará essa confiança", disse um alto funcionário do governo Biden.

Outros tópicos que provavelmente surgirão são o futuro dos Acordos de Abraham da era Trump – os acordos de normalização alcançados entre Israel e quatro Estados árabes – negociações com o Irã sobre seu programa nuclear e a crise humanitária da Síria, disse o funcionário.

O embaixador Dennis Ross, um distinto bolsista do Instituto de Política do Oriente Próximo de Washington, disse ao The Jerusalem Post que a visita não sinaliza uma prioridade maior para o Oriente Médio, "mas sinaliza um reconhecimento de que mesmo uma estratégia de gestão requer não apenas diplomacia ativa, mas também o envolvimento visível do presidente e do secretário de Estado de tempos em tempos".

"O rei Abdullah espera restabelecer não apenas uma relação próxima com a administração Biden, de acordo com a que ele teve em todas as administrações anteriores, com exceção da de Trump", disse Ross. "Ele também espera manter o nível de assistência estrangeira que tem recebido dos EUA e ter a administração ajudando a promover o investimento privado na Jordânia."

O rei também quer "uma forte reafirmação pública do compromisso do governo Biden com uma solução de dois Estados para o conflito israelo-palestino", disse Ross. "Ele não tem ilusões sobre alcançar isso em breve, mas ele quer que seja um objetivo americano inconfundível. Por sua vez, o governo Biden entende o quão importante a Jordânia é para a estabilidade no Oriente Médio, com ela tendo a fronteira mais longa de Israel e sendo um estado tampão para os sauditas."

Ross acrescentou que é provável que a Administração reafirme seu compromisso com a Jordânia, "ao mesmo tempo em que enfatiza a necessidade de reformas, especialmente as reformas econômicas e a importância do combate à corrupção para atrair investimentos privados".

"Certamente também deixará claro seu compromisso com o resultado dos dois Estados e pode estar muito aberto ao rei Abdullah pressionando o [presidente da Autoridade Palestina] Mahmoud Abbas a estar aberto a tomar medidas práticas com os israelenses; para, entre outras coisas, saúde e desenvolvimento econômico no PA", acrescentou Ross.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.