Ads Top

Netanyahu vai ficando... Bennett recua do governo anti-Netanyahu enquanto os distúrbios judaico-árabes crescem

Bennett cedeu à pressão da direita e decidiu que não formará um governo com Mansour Abbas, citando a recente violência.



O líder de Yamina, Naftali Bennett, rendeu-se à pressão da Direita para não formar um governo com o chefe da Ra'am (Lista Árabe Unida) Mansour Abbas na quinta-feira, dizendo ao líder da Yesh Atid, Yair Lapid, que a ideia estava fora de questão. Lapid, que tem um mandato para formar um governo até 2 de junho, convocou uma coletiva de imprensa às 21h.m. para responder. Bennett citou a recente onda de violência entre árabes e judeus em cidades mistas." Estou removendo o governo de mudança da agenda", disse Bennett. "Um governo de mudança, com a maquiagem planejada, não pode lidar com os problemas em cidades mistas. Estas são coisas que não podem ser feitas quando se baseia em Mansour Abbas." Bennett disse que estava trabalhando na formação do que chamou de um amplo governo de unidade com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o líder da Nova Esperança Gideon Sa'ar, o presidente azul e branco Benny Gantz e Lapid. Ele disse que se opôs a uma quinta eleição em dois anos e meio. Gantz não respondeu, porque estava em um bunker militar, mas seus ministros todos tuitaram que continuam comprometidos com um governo de mudança. Fontes próximas a Bennett disseram que ele estava pessimista de que tal acordo pudesse ser alcançado.


Uma ideia levantada por uma fonte próxima a Bennett em uma conversa privada na quarta-feira foi uma rotação de três vias no Gabinete do Primeiro-Ministro: Primeiro Bennett por um ano e meio, depois Netanyahu por dois anos e depois seis meses para Sa'ar. Mais cedo na quinta-feira, o número dois de Bennett em Yamina, MK Ayelet Shaked, pediu para trazer o IDF para cidades mistas para restaurar a ordem. Bennett endossou a ideia, sabendo que impediria uma coalizão com Ra'am. Abbas disse em uma entrevista à Rádio do Exército na manhã de quinta-feira que a violência nas cidades mistas não deve acabar com as chances de formar uma coalizão que tenha o apoio de MKs judeus e árabes. Ele disse aos entrevistadores Udi Segal e Keren Marciano que ele parou as conversações de coalizão, porque seriam inapropriados em um momento tão sensível. Mas ele disse que eles seriam reiniciados imediatamente após o término da escalada." Não vou desistir da cooperação futura", disse Abbas. "Pode ser que esses incidentes enfatizem a necessidade de uma verdadeira parceria com a compreensão, iniciando em conjunto." Abbas foi além, dizendo que uma parceria de judeus e árabes era "um objetivo em si mesmo" e não apenas "um instrumento para outra coisa". O líder ra'am disse que "os protestos são legítimos", mas devem ser feitos dentro da lei e sem prejudicar ninguém. Em entrevista ao Canal 12, Abbas disse que não descartaria apoiar eleições diretas para primeiro-ministro.



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.