Ads Top

No Vaticano a maioria é gay: Duterte volta a atacar a Igreja Católica e pede fim do celibato


A Igreja Católica deve abraçar o parentesco homossexual entre os clérigos, provocou o líder filipino Rodrigo Duterte em seu mais recente ataque ao Vaticano, logo depois de convocar a população para roubar e até matar bispos "inúteis".
Duterte, que no passado revelou abertamente que foi molestado sexualmente por um padre, mais uma vez criticou a Igreja Católica na quinta-feira, desta vez por supostamente reprimir as tendências homossexuais generalizadas de seus clérigos — e provocou os "filhos da p*" no Vaticano para abolir o celibato.
"A maioria deles é gay […] Eles devem sair ao ar livre, cancelar o celibato e permitir que eles [padres] tenham namorados", afirmou Duterte.
A Santa Sé funcionou muito bem por mais de mil anos antes que a Igreja adotasse uma política de celibato clerical no Segundo Concílio de Latrão, em 1139. Duterte é um defensor aberto de uniões do mesmo sexo e até mesmo reconheceu a ideia de se tornar um bissexual.
O presidente das Filipinas tem repetidamente chamado a Igreja a abolir a lei canônica secular, sugerindo que ela apenas alimenta tendências homossexuais entre os clérigos. No mês passado, Duterte estimou corajosamente que "quase 90%" dos padres católicos eram homossexuais.
Os insultos de Duterte contra a Igreja Católica tornaram-se uma assinatura de sua presidência. Pouco antes de seu discurso nesta semana, o presidente pediu aos fiéis que roubassem e, se necessário, até matassem os bispos.
"Ei, vocês, espectadores, quando o bispo passa, encenem um assalto porque ele tem muito dinheiro, aquele filho de uma p*", declarou Duterte na quarta-feira. "Mate todos esses bispos lá. Eles são inúteis", acrescentou o presidente, recordando como um padre o chamara de demônio durante um sermão e desejava sua morte.
Duterte tem estado em desacordo com a Igreja Católica do país desde antes de assumir o cargo em 2016. Os líderes da Igreja condenaram repetidamente sua retórica vulgar e sua dura repressão à cultura de drogas de seu país, que deixou um rastro de milhares de pessoas mortas em supostas execuções extrajudiciais

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.