Ads Top

Bom negócio pra Chineses e Sauditas: Após Bolsonaro fechar acordo com a China, e Arábia Saudita. A Carne no Brasil ficou mais cara


Você que mora no Brasil, exatamente nesta semana e no dia desta matéria, 28 de Novembro deve ter notado o aumento do preço das carnes, seja nos açougues, supermercados, mercearias. 

Enquanto o Brasileiro tem que pagar mais caro por algo que vem de sua própria terra, e região. 


          Chineses já estão experimentando a Carne Brasileira nesse momento - (foto reprodução)

A Carne boa Brasileira após chegar na China, o consumidor Brasileiro já sentiu o preço bem elevado no momento, a tendência é continuar a subir. A exportação feita por Bolsonaro no último dia 25 de Outubro de 2019, mostra que relações bilaterais em seu governo, apenas o País que não é o Brasil, sai beneficiado, e no caso da Carne não é diferente. 




Relembre o que Bolsonaro foi fazer na China: 


Entre os atos assinados estão protocolos sanitários para exportação de carne termoprocessada (que passa por processo de cocção) e farelo de algodão do Brasil à China.
Em 2018, o Brasil exportou US$ 557 milhões em carne bovina processada e a China importou US$ 25 milhões do produto. Para o farelo de algodão, usado como ração animal, a exportação brasileira ainda é incipiente. Já a China importou US$ 4 milhões da commodity no ano passado.
Os dois países também passaram a reconhecer as certificações de Operador Econômico Autorizado (OEA) emitidas pelas autoridades aduaneiras dos dois países. Uma empresa certificada como OEA usufrui dos benefícios, como tratamento prioritário, menos inspeções, requisitos menos rígidos de segurança e expedição agilizada. A autoridade brasileira para esse fim é a Receita Federal. O acordo deverá assegurar maior agilidade e previsibilidade para exportadores e importadores no comércio bilateral reconhecidos como OEA.
Bolsonaro e Xi Jiping ressaltaram o papel da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) como principal mecanismo para impulsionar as relações entre os dois países. Em 2020, Brasil e China iniciam o processo de aprimoramento e modernização dessa estrutura e a atualização do Plano de Ação Conjunta (2015-21) e o Plano Decenal de Cooperação (2012-21).
Um memorando de entendimento assinado também prevê contatos institucionais mais regulares e diretos entre os ministérios das Relações Exteriores do Brasil e dos Negócios Estrangeiros da China, “o que possibilitará comunicação estreita e ágil sobre temas bilaterais, regionais e internacionais de grande relevância”.
Um dia você não poderá mais comer carne de verdade: 



A Arábia Saudita também receberá carne de qualidade, e vão pagar bem menos que os Brasileiros: 



A Saudi Food and Drug Authority (SFDA) - autoridade sanitária da Arábia Saudita - habilitou oito novos estabelecimentos para a exportação de carne bovina brasileira e seus produtos. A medida se segue a uma visita da ministra brasileira da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, que  em setembro passado esteve naquele país árabe negociando a abertura de mercado para produtos agropecuários brasileiros.
A decisão da Arábia Saudita foi comemorada pelo presidente Jair Bolsonaro, em mensagem no Twitter: "Após China anunciar habilitação da exportação de nosso miúdo suíno, a Arábia Saudita faz o mesmo com 8 estabelecimentos do Brasil com a carne bovina. Geração de emprego e produção. Trabalho da @Min_Agricultura @TerezaCrisMS em nossa viagem ao Oriente Médio e Ásia. Grande Dia!"
OS CREDENCIADOS
Foram habilitados os seguintes estabelecimentos: Frigorífico Fortefrigo (em Paragominas, no estado do Pará), Frigorífico Better Beef (em Rancharia, São Paulo), Rio Grande Comércio de Carnes Ltda (em Imperatriz, Maranhão), Plena Alimentos (em Pará de Minas, Minas Gerais), Indústria e Comércio de Alimentos Supremo (em Ibirité, Minas Gerais), Frigol (São Félix do Xingu, Pará), Maxi Beef Alimentos do Brasil (Carlos Chagas, Minas Gerais) e Distriboi - Indústria, Comércio e Transporte de Carne Bovina (Ji-Paraná, Rondônia).
A ministra Tereza Cristina atribuiu o sucesso das negociações que resultaram na habilitação dos frigoríficos à recente viagem do presidente Jair Bolsonaro à Arábia Saudita. "Isso faz parte de toda a abertura que o Ministério da Agricultura vem fazendo juntamente com o governo federal", disse ela, acrescentando que "essa é uma ótima notícia para começar bem a semana".


*Até o fechamento desta matéria o preço da Carne estava nesta situação: 

Filé Mignon - R$44,90 kg
Chã- R$21,97 kg
Patinho- R$27,90kg
Costela Bovina- R$26,84kg
Acém- R$29,98kg

O preço médio de aumento foi entre 7 reais à 15 reais. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.