Ads Top

Youtube anuncia novas regras, que irá penalizar vídeos e até desaparecer canais da Rede Social de vídeos

O YouTube anunciou na quarta-feira que proibirá vídeos que promovam ou glorifiquem o racismo e a discriminação, bem como aqueles que negarem eventos violentos bem documentados, como o Holocausto ou o tiroteio na escola primária de Sandy Hook.

O anúncio da plataforma de compartilhamento de vídeos de propriedade do Google foi o mais recente de uma série de medidas da indústria de tecnologia para filtrar conteúdo odioso e violento, que estimularam pedidos por regulamentação mais rígida.

"O YouTube sempre teve regras, incluindo uma política de longa data contra o discurso de ódio", disse um comunicado da empresa.

"Hoje, estamos dando outro passo em nossa política de discurso de ódio proibindo especificamente os vídeos alegando que um grupo é superior para justificar discriminação, segregação ou exclusão com base em qualidades como idade, sexo, raça, casta, religião, orientação sexual ou status antigo".

A decisão veio depois de um apelo de líderes mundiais em Paris no mês passado para conter o extremismo online, depois de revelações sobre a livestream do massacre na Nova Zelândia.

"Vamos começar a aplicar essa política atualizada hoje, no entanto, levará tempo para que nossos sistemas aumentem totalmente e estaremos expandindo gradualmente a cobertura nos próximos meses", afirmou o YouTube.

O YouTube e outras plataformas também foram vistos como refúgio para os teóricos da conspiração que negam o Holocausto ou os ataques de 11 de setembro, e para os grupos de nazistas e supremacia branca.

O Southern Poverty Law Center, que monitora a supremacia branca e outros grupos extremistas, disse que a proibição será positiva somente se o YouTube a aplicar.

"Tal como acontece com outros canais, a decisão do YouTube de remover conteúdo odioso depende de sua capacidade de aprovar e aplicar políticas e procedimentos que impedirão que esse conteúdo se torne uma ferramenta global de organização para a direita radical", disse o diretor de inteligência do grupo, Heidi Beirich.

"As empresas de tecnologia devem atacar proativamente o problema do conteúdo de ódio que é facilmente encontrado em suas plataformas antes que ele leve a uma violência mais inspirada pelo ódio".

- medidas mais duras -

Em janeiro, o YouTube disse que deixaria de recomendar vídeos especiosos como os que afirmam que a Terra é plana ou que promove teorias falsas sobre os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 ou os assassinatos de 2012 na escola primária Sandy Hook, em Connecticut. Mas parou antes de proibir esse conteúdo.

O YouTube disse que buscaria maneiras de manter algum conteúdo violento para disponibilizá-lo aos pesquisadores.

Mas o mais recente movimento provavelmente eliminará vários "canais" que usam a plataforma para monetização.

"Temos diretrizes de longa data para os anunciantes que proíbem que anúncios sejam veiculados em vídeos que incluam conteúdo odioso e os reforçamos rigorosamente", disse o comunicado.

"Os canais que repetidamente se confrontam com as nossas políticas de incitação ao ódio serão suspensos do Programa de parceiros do YouTube, o que significa que não podem apresentar anúncios no respetivo canal nem utilizar outras funcionalidades de rentabilização."

No começo do ano, o Facebook anunciou que proibiria elogios ou apoio ao nacionalismo branco e ao separatismo branco como parte de uma repressão ao discurso do ódio.

Os movimentos da mídia social provocaram críticas entre os ativistas de direita nos Estados Unidos, e o presidente Donald Trump afirmou que as plataformas online estão buscando suprimir as vozes conservadoras.

O YouTube não divulgou os nomes de nenhum grupo ou canal que possa ser banido.

A ação do YouTube vem depois de um relato no site de notícias tecnológicas The Verge documentando o assédio de um jornalista baseado em sua raça e orientação sexual pelo comentarista de direita Steven Crowder.

Segundo The Verge, o canal de Crowder ainda estava operacional.

Mas o YouTube disse mais tarde no Twitter que havia suspendido a monetização do canal de Crowder, impedindo-o de obter receita com anúncios do YouTube.

"Chegamos a essa decisão porque um padrão de ações notórias prejudicou a comunidade em geral e é contra nossas políticas do Programa de parcerias do YouTube", disse a empresa.

Andrew Surabian, estrategista republicano e ex-assessor da Casa Branca, disse que a medida sugere que o YouTube cedeu à pressão de ativistas.

"Se esse é o novo padrão deles, eles agora irão desmonetizar todos os vídeos de rap com insultos homofóbicos em sua plataforma?" ele disse no Twitter.

https://news.yahoo.com/youtube-ban-hatef...33974.html

--

Na globo news repórter disse que eles estão com mais de 10 mil pessoas analisando os videos a serem removidos nos próximos dias e ele ainda chegou a dizer que um dos temas a serem removidos é "Sionistas controlam o mundo¨


Contra as atuais políticas de comunidade do Youtube, Outras plataformas de vídeo como: Dailymotion, Bitchute, Vimeo, e até Odnoklassniki- OK (Facebook Russo) vem se tornando uma forma de canais postarem seus conteúdos, antes que o Youtube bani canais. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.